Primeiro voo sem qualquer produto de plástico descartável a bordo parte de Lisboa

Partiu de Lisboa, com destino ao Brasil, sem um único pedaço de plástico descartável a bordo. O objetivo é que a iniciativa se repita até que, no final de 2019, todos os voos sejam como este.

Bem-vindos a bordo. Aquele que podia ser um voo normal ficou para a história, sendo “o primeiro voo do mundo livre de plástico descartável“. É o que se lê nos cartazes que a tripulação de cabine da companhia aérea portuguesa Hi Fly segura. Partiu de Lisboa, com destino a Natal, no Brasil, sem um único pedaço de plástico de uma só utilização a bordo.

Uma espécie de presente de Natal, ainda que um pouco atrasado, para o meio ambiente. Em vez de copos, talheres, recipientes e embalagens de plástico, a companhia aérea portuguesa ofereceu aos seus passageiros os mesmos produtos, mas numa versão alternativa a este material, avança a Fast Company (acesso livre, conteúdo em inglês).

Os talheres, por exemplo, eram feitos de bambu. Já os copos e taças — que habitualmente são de plástico — passam agora a ser feitos com alimentos compostáveis, fabricados pela empresa Vegware, entre outros materiais vegetais, renováveis e com baixo teor de carbono.

“Não podemos continuar a ignorar o impacto da contaminação do plástico nos ecossistemas, bem como na saúde humana”, refere o presidente da Hi Fly, Paulo Mirpuri, em declarações à rede de televisão canadiana CTV.

O voo, que descolou nos últimos dias do ano, é um teste da empresa com sede em Lisboa que visa proibir os plásticos de uso descartável nos seus aviões. Pouco a pouco, a Hi Fly espera conseguir reduzir os plásticos que leva a bordo, para que, no final do ano de 2019, se orgulhe de tê-los já eliminado inteiramente.

“Sabemos, pelos feedback que recebemos, que esta é a coisa certa. É o que as companhias aéreas devem fazer”, diz Paulo Mirpuri.

Apesar de ter sido a primeira a pô-lo em prática, a Hi Fly não é, contudo, a única companhia aérea que se compromete na luta contra o plástico descartável. Em outubro, a Air New Zealand também anunciou estar a trabalhar para reduzir ainda mais o uso de plástico.

A principal companhia aérea da Nova Zelândia quer agora trocar os copos, talheres, pratos e sacos de plástico por produtos que sejam feitos de outro tipo de material mais amigo do ambiente. Este ano já deixou em terra as palhinhas de plástico — um dos produtos que mais encontrado nos oceanos — as escovas de dentes de plástico e as embalagens das máscaras.

Também nos Estados Unidos da América (EUA), a Alaska Airlines já eliminou as palhinhas de plástico.

Veja o vídeo para perceber melhor o que mudou neste voo com dois destinos: o primeiro para Natal (Brasil) e o segundo para um mundo melhor.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Primeiro voo sem qualquer produto de plástico descartável a bordo parte de Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião