Devolver garrafas de plástico vai dar prémio. Ministro do Ambiente ainda vai definir a recompensa

Vão ser disponibilizados equipamentos em grandes superfícies comerciais para a recolha destas embalagens. Prémio será definido por despacho pelo ministro do Ambiente.

O Governo vai lançar um projeto-piloto até 31 de dezembro de 2019 que visa premiar o consumidor final pela devolução de embalagens de bebidas em plástico não reutilizáveis, com vista a garantir o seu encaminhamento para a reciclagem. Em causa está a lei que que incentiva a devolução e depósito de embalagens de bebidas em plástico, vidro, metais ferrosos e alumínio, publicada esta quarta-feira em Diário da República.

De modo a garantir a recolha vão ser disponibilizados equipamentos que permitam a devolução destas embalagens de bebidas, instalados em grandes superfícies comerciais. Qual será o prémio não está ainda definido, sendo que será “determinado mediante despacho do membro do Governo responsável pela área do Ambiente”, ou seja, cabe a Matos Fernandes anunciar a recompensa.

O Governo fica sujeito a apresentar à Assembleia da República (AR) um relatório de avaliação do impacto de implementação deste projeto-piloto, até ao final do terceiro trimestre de 2021.

As grandes superfícies comerciais ficam ainda obrigadas a implementar uma área devidamente assinalada e exclusivamente dedicada ao comércio de bebidas em embalagens reutilizáveis ou 100% biodegradáveis.

A partir de 1 de janeiro de 2022 será obrigatória a existência de sistema de depósito de embalagens de bebidas em plástico, vidro, metais ferrosos e alumínio com depósito não reutilizáveis.

A lei que regulamenta o sistema de incentivo à devolução e depósito de embalagens de bebidas em plástico, vidro, metais ferrosos e alumínio deverá ser regulamentada no espaço de 180 dias.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Devolver garrafas de plástico vai dar prémio. Ministro do Ambiente ainda vai definir a recompensa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião