Vendas no reinado de Rui Vitória deram ao Benfica um encaixe de 425 milhões

Rui Vitória rescindiu contrato com o clube dos encarnados. Durante as quatro épocas em que lá esteve, o Benfica encaixou 425 milhões com a venda de jogadores e gastou 115 milhões.

Quatro épocas depois, Rui Vitória abandona o Benfica. O treinador e o clube rescindiram o contrato, mas Vitória deixa na Luz a melhor herança financeira em toda a história do clube em termos de encaixe com transferências de jogadores. Entre vendas e compras, que totalizaram 253 transferências durante as três épocas e meia de Rui Vitória, o Benfica embolsou 425 milhões de euros com venda de futebolistas.

Rui Vitória assumiu a liderança técnica do Benfica a 1 de julho de 2015 e por lá ficou até esta quinta-feira. De acordo com o site Transfermarkt, nas três épocas e meia de Vitória (uma delas com alguns dias partilhados com Jorge Jesus), o Benfica cedeu 121 jogadores (através de vendas ou empréstimos), o que, para as contas dos encarnados, representou um encaixe de 425 milhões de euros. No mesmo período, o clube comprou os direitos de 132 profissionais, o que representou uma despesa de 115 milhões. O saldo dos quatro anos de Vitória na Luz é positivo, em 311 milhões de euros.

No período sob gestão futebolística de Vítoria, foi na de 2016/2017 que o Benfica gastou mais a comprar jogadores: 43,77 milhões de euros. Aqui, o destaque foi a compra de Rafa Silva ao Sp. Braga por 16 milhões e de Mitroglou ao Fulham por sete milhões. Em vendas, o maior encaixe nessa época veio da transação de Renato Sanches para o Bayern por 35 milhões e de Gonçalo Guedes para o PSG por 30 milhões.

No tempo de Jesus, Benfica encaixou 358 milhões

Durante as seis épocas de Jorge Jesus — atualmente treinador do Al-Hilal, e apontado como possível sucessor de Vitória –, que arrancaram em 2009 e terminaram em 2015, o Benfica transacionou 450 futebolistas: vendeu/emprestou 218 e comprou/pediu emprestado 232. Feitas as contas, gastou 230 milhões de euros e encaixou 358 milhões, o equivalente a um saldo positivo de 129 milhões de euros.

Comparando com o reinado de Rui Vitória, o Benfica encaixou menos 67 milhões de euros com a venda de jogadores de futebol no tempo de Jesus. No entanto, nestas contas é necessário ter presente que a venda de atletas no reinado de um treinador não resulta exclusivamente do seu trabalho e da valorização que fez do plantel nesse período.

Enquanto Jorge Jesus treinou os encarnados, foi na época de 2014/2015 que o clube encaixou mais dinheiro (104,65 milhões de euros), com destaque para as vendas de Markovic ao Liverpool e de Enzo Pérez ao Valência, ambos por 25 milhões. Em termos de compras, foi na época de 2013/2014 que o Benfica gastou mais a comprar jogadores: 55,75 milhões de euros. Aqui, os destaques foram as compras do Pizzi ao Atlético de Madrid por 14 milhões de euros e de Markovic ao Partizan por dez milhões.

Analisando os últimos 18 anos, foi na época de 2017/2018 — com Rui Vitória no comando –, que o Benfica mais dinheiro encaixou com a venda de jogadores. No total foram 137,07 milhões de euros, com destaque para a venda de Ederson ao Manchester City por 40 milhões e a de Nélson Semedo ao Barcelona por 35,37 milhões. Já nas compras, foi na época de 2013/2014 — com Jesus no comando –, que o clube da Luz gastou mais dinheiro: 55,75 milhões.

Historial de treinadores do Benfica

Fonte: Transfermarkt (valores em milhões de euros)

Recuando até à época de 2000/2001, quando José Mourinho começou a treinar o plantel benfiquista, o Benfica desembolsou 18,3 milhões de euros na compra de jogadores mas, em contrapartida, encaixou 19,45 milhões com a venda de outros. Seguiram-se Toni e Jesualdo Ferreira em 2001/2002, época em que entraram nas contas 20 milhões com a venda de jogadores e durante as duas épocas de José Camacho e Giovanni Trapattoni foram mais 18,5 milhões que entraram. Até entrar Jorge Jesus, destaque para a época de José Camacho em 2007/2008, quando o Benfica vendeu jogadores avaliados em 54,22 milhões de euros.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vendas no reinado de Rui Vitória deram ao Benfica um encaixe de 425 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião