“Enfermeiro” é a “Palavra do Ano” de 2018 com 37,8% dos 226 mil votos validados

  • Lusa
  • 5 Janeiro 2019

A “Palavra do Ano” de 2018 é “enfermeiro”, que alcançou 37,8% dos 226 mil votos validados, foi hoje anunciado pela Porto Editora, numa sessão na Biblioteca Municipal Almeida Garrett, no Porto.

Uma “votação recorde”, disse à agência Lusa Paulo Rebelo Gonçalves, da Porto Editora, que promove a iniciativa que completa este ano uma década. Da lista de dez palavras colocadas à votação durante o mês de dezembro, em www.palavradoano.pt, em segundo lugar ficou o vocábulo “professor”, com 33,4%.

A escolha inicial do termo “enfermeiro” tinha sido justificada pela Porto Editora com os vários movimentos de protesto desta classe, ao longo do ano passado e que continuam em 2019: “Os enfermeiros reclamam aumentos salariais, uma progressão mais rápida na carreira e a contratação de mais profissionais”, uma situação idêntica à dos professores, que “continuam a lutar pela contabilização da totalidade do tempo de serviço prestado durante o congelamento de carreiras”, afirmou a editora.

No terceiro lugar, ficou “toupeira” com 10,6%, no quarto posto “privacidade” (3,1%) e, a meio da tabela, no 5.º, ficou “assédio” (2,9%).

Paulo Rebelo Gonçalves qualificou a participação como “verdadeiramente histórica”, com 226.000 votos validados. No ano passado contaram-se 30.000 votos, o que leva Paulo Rebelo Gonçalves a afirmar que “o excecional nível de participação demonstra que esta iniciativa está definitivamente consolidada no calendário dos portugueses”.

O responsável da Porto Editora disse à Lusa que “a escolha dos portugueses poderá refletir uma preocupação acentuada quanto à situação envolvendo a classe dos enfermeiros, algo que poderá ser extensível aos professores, atendendo à elevada votação que a respetiva palavra registou”.

Na segunda parte da tabela ficaram “populismo”, com 2,8%, “extremismo”, com 2,6%, “paiol” com 2,5%, “sexismo” (2,3%) e, em último, “especulação” (2%).

Quanto às palavras que têm sido eleitas e às candidatas, Paulo Rebelo Gonçalves disse que têm permitido “um retrato sociológico do país na última década”.

“Quer através das palavras eleitas, quer das que compuseram a lista, nós olhamos para elas e percebemos o que se passou naquele ano, e porque é que escolheram aquela palavra”, disse.

A palavra “enfermeiro” junta-se assim à lista das vencedoras da iniciativa que inclui “esmiuçar” (2009), “vuvuzela” (2010), “austeridade” (2011), “entroikado” (2012), “bombeiro” (2013), “corrupção” (2014), “refugiado” (2015), “geringonça” (2016) e “incêndios” (2017).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Enfermeiro” é a “Palavra do Ano” de 2018 com 37,8% dos 226 mil votos validados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião