Santos Pereira em dez ‘tweets’ sobre corrupção

Álvaro Santos Pereira quer dar prioridade ao tema da corrupção no outlook da OCDE sobre Portugal, o que desagrada ao governo. Mas a corrupção está há muito no centro das atenções do economista.

A OCDE está a preparar o relatório bianual sobre Portugal, e um dos temas analisados é a corrupção no âmbito da relação entre o sistema de justiça e a atividade económica, mas esta decisão estão a causar mal estar junto do Governo, revela o Expresso (acesso pago) na edição deste sábado. Só que a corrupção é um dos temas mais citados por Álvaro Santos Pereira, diretor de estudos específicos por país do departamento de Economia da OCDE, como se vê nas suas ‘intervenções’ no twitter.

[frames-chart src=”https://s.frames.news/cards/corrupcao-em-portugal/?locale=pt-PT&static” width=”300px” id=”347″ slug=”corrupcao-em-portugal” thumbnail-url=”https://s.frames.news/cards/corrupcao-em-portugal/thumbnail?version=1517498045534&locale=pt-PT&publisher=eco.pt” mce-placeholder=”1″]

O ECO fez uma recolha de ‘tweets’ de Santos Pereira, o responsável do relatório sobre Portugal, ao longo dos últimos 12 meses, desde o início do ano de 2018, e foram exatamente dez as declarações próprias ou os chamados ‘retweets’ do diretor da OCDE sobre o tema da corrupção e os seus efeitos na economia. No contexto internacional, mas também sobre Portugal, particularmente as investigações em relação às falências no setor bancário e à ausência de consequências judiciais.

O último ‘tweet’ do antigo ministro da Economia do governo de coligação foi uma resposta a um outro ‘tweet’, datado de 9 de dezembro, a propósito do Dia Anticorrupção. E dizia, a 4 de janeiro, que é mais do que tempo para tomar medidas efetivas contra a corrupção.

Por altura do Natal, Álvaro Santos Pereira sugeriu “duas excelentes prendas”. Quais? Os livros dos jornalistas Helena Garrido e Luís Rosa, sobre o financiamento na Caixa Geral de Depósitos e o ‘saco-azul’ do Grupo Espírito Santo, respetivamente.

No dia 9 de dezembro, o pretexto para puxar o tema da corrupção foi um livro da própria OCDE, com recomendações sobre integridade. Nesse dia, precisamente o Dia da Anticorrupção, Santos Pereira fez dois ‘tweets’ sobre o tema.

No dia 16 de novembro, Álvaro Santos Pereira tinha anunciado no Twitter o tema do relatório que está agora a causar tensões com o governo. Nesse dia, fez um ‘tweet’ em que revela estar em Lisboa na missão de preparação sobre o próximo Economic Survey sobre Portugal. O tema? Adivinhou. A reforma do sistema de justiça e a corrupção.

 

Antes de mais um ‘retweet’ sobre uma publicação da OCDE, Santos Pereira traz para a discussão nesta rede social o tema das ajudas públicas aos bancos. Mas dá um passo em frente: Associa estes apoios a fraudes financeiras e questiona a inexistência de consequências. “Porque é que ainda ninguém foi preso?”. Dias antes, a 5 de julho, critica os partidos em Portugal que continuam a “assobiar” para o tema da corrupção. No dia 2 desse mês, já tinha feito escrito um ‘tweet’ sobre a banca e a corrupção.

O jornalismo de investigação mereceu uma referência de Santos Pereira no Twitter em 2018. Como instrumento-chave na luta contra a corrupção.

Ao Expresso, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, admite a existência de uma tensão entre e o Governo e a OCDE quando refere que “se o relatório fosse transformado numa simples listagem de ideias feitas, perceções, estereótipos, seria muito errado e Portugal teria de protestar”. Na verdade, já está a fazê-lo por antecipação. A publicação do relatório está prevista para fevereiro ou março e, por isso, para já o palco da tensão são os bastidores da preparação do documento.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Santos Pereira em dez ‘tweets’ sobre corrupção

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião