EDP dá nome a teatro madrileno. Converte palmas em energia

  • Guilherme Monteiro
  • 10 Janeiro 2019

A elétrica portuguesa vai dar nome ao conhecido teatro madrileno Grand Vía. A EDP vai "transformar a energia das emoções dos espectadores em energia elétrica".

E se fosse a um espetáculo de tal forma emocionante que o seu aplauso fosse capaz de produzir energia? Comprava bilhete? Pelo menos, já o pode fazer e a EDP é a patrocinadora do espaço. Trata-se de um dos principais recintos culturais espanhóis, o Teatro EDP Gran Vía, em Madrid.

A elétrica portuguesa e o teatro madrileno, do grupo cultural Smedia, celebraram uma parceria de três anos para conseguirem “transformar a energia das emoções dos espetadores em energia elétrica”. É simples.

Os sons gerados pelo público e pelos artistas vão ser “captados por um sistema que mede os decibéis do espetáculo e o momento exato em que foram produzidos”. Vai ser, por isso, possível analisar os momentos mais efusivos na sala. “No final do espetáculo, os decibéis serão convertidos em quilowatts/hora“, explica a EDP.

"Graças a este sistema inovador, cada espetador do teatro EDP Gran Vía de Madrid vai converter-se numa fonte de energia para os outros.”

Vera Pinto Pereira

Administradora executiva da EDP

O objetivo passa por doar a eletricidade gerada durante cada espetáculo a uma instituição de solidariedade previamente escolhida pela companhia ou artista que atue no Grand Vía. Para a administradora executiva da EDP, Vera Pinto Pereira, “graças a este sistema inovador, cada espetador do teatro EDP Gran Vía de Madrid vai converter-se numa fonte de energia para os outros”.

A companhia que produz “Jovem Frankenstein”, espetáculo está agora em exibição no teatro, é a primeira a selecionar a causa ou instituição solidária a quem a EDP vai doar a soma dos quilowatts obtidos pelas emoções do musical.

Comentários ({{ total }})

EDP dá nome a teatro madrileno. Converte palmas em energia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião