Conselho Nacional reúne na quinta. Montenegro acusa Rio de ter “medo de ouvir os militantes”

Montenegro à saída do encontro com Marcelo lamentou que a opção de Rui Rio tenha sido convocar o conselho nacional em vez de realizar eleições diretas. Órgão tem reunião marcada para quinta-feira.

Luís Montenegro foi recebido esta segunda-feira pelo Presidente da República para lhe dar conta das suas “impressões sobre a situação” do PSD. À saída lamentou que a opção de Rui Rio tenha sido convocar o Conselho Nacional, em vez de realizar eleições diretas. Na sua avaliação o líder do partido “tem medo de ouvir os militantes”.

O Conselho Nacional extraordinário já está agendado para quinta-feira, no Porto, para submeter a votação a moção de confiança apresentada por Rui Rio no sábado à noite. A reunião foi agendada com maior celeridade do que inicialmente previa o presidente deste órgão, Paulo Mota Pinto.

Luís Montenegro, em declarações aos jornalistas à saída do encontro com Marcelo Rebelo de Sousa, disse lamentar a opção de Rio de recorrer ao Conselho Nacional. “Lamento que Rui Rio não tenha tido a coragem de convocar eleições diretas e que tenha medo de ouvir a voz dos militantes que foi o repto que lancei“, disse. E justifica a sua opção. “Entendo que uma verdadeira clarificação da posição política do PSD, como deve enfrentar os próximos atos eleitorais, só tem efeito com o pronuncio de todos os militantes”, acrescenta.

O Conselho Nacional não é a minha praia“, afirma perentório dando a entender que não vai pedir diretamente ao conselho que delibere a possibilidade de realizar eleições diretas. Uma figura que Montenegro acredita ser a opção preferida da maioria dos militantes do PSD, incluindo a ex-ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, ou o antigo presidente do PSD, Luís Marques Mendes.

Nunca esteve nos meus propósitos apresentar moções de censura ou de confiança, mas antes realizar eleições diretas para dar a palavra às bases. No entanto, o conselho nacional vai reunir-se sabendo da minha disponibilidade”, frisou Montenegro, dando a entender que está nas mãos do conselho pedir diretas se assim o entender. “Se o conselho nacional vier a decidir pela realização de eleições, sou obviamente candidato”, assegurou.

"Lamento que Rui Rio não tenha tido a coragem de convocar eleições diretas e que tenha medo de ouvir a voz dos militantes que foi o repto que lancei.”

Luís Montenegro

Ainda estamos a tempo de o fazer“, garante. Montenegro frisa que a situação a que o partido chegou “é má” e que a “responsabilidade” desse resultado, expresso nas últimas sondagens como o pior desempenho do PSD desde 1976, deve ser “assacada a quem delineou a estratégia”, ou seja, a Rui Rio.

Luís Montenegro recusa que o seu repto tenha que ver com o desejo de assegurar lugares em listas, uma acusação feita por Rio na sua intervenção de sábado. “É um absurdo que se possa associar a minha preocupação” a isso, frisou, lembrando que abandonou pelo seu próprio pé a liderança da bancada parlamentar do PSD. “Se fossemos por esse caminho, que não é o meu, haverá alguns apoiantes do meu lado que podem ter essa preocupação, mas há muitos mais do lado de Rui Rio que têm essa preocupação“, atacou.

(Notícia atualizada às 15h46 com mais informação)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Conselho Nacional reúne na quinta. Montenegro acusa Rio de ter “medo de ouvir os militantes”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião