Montenegro confirma: “Estou disponível para me candidatar de imediato à liderança do PSD”

Luís Montenegro diz que vai "sair da zona de conforto". Por isso, e num altura em que vê o partido à beira do "abismo", decidiu avançar com uma candidatura à liderança do PSD.

Luís Montenegro está preocupado com o “estado em que o PSD chegou”. “É mau e preocupante” com esta liderança, a de Rui Rio, disse o social-democrata, antecipando um resultado muito negativo nas legislativas. Neste sentido, e numa altura em que vê o Partido Social Democrata (PSD) à beira do “abismo”, anunciou a sua candidatura à presidência do partido.

“Estou disponível para me candidatar de imediato à liderança do PSD”, afirmou Montenegro durante a conferência de imprensa, acrescentando que está na hora de “salvar o partido” de uma derrota “humilhante”.

“Mostre coragem e não hesite em marcar eleições internas“, disse, confrontando diretamente o atual líder social-democrata. Montenegro considera que, de um lado, está a ideia de Rui Rio, “de um partido pequeno, perdedor e satélite do Partido Socialista [PS]” e, do outro lado, a sua estratégia, “de um PSD grande, ganhador, com votação maioritária e autónomo do PS”.

E durante o seu discurso recordou: “Sempre fui e sou um homem totalmente livre. Disse que se fosse preciso estar cá, cá estaria. E cá estou. Disse que se sentisse que devia avançar, não pediria licença a ninguém. E não pedi”.

Agora, passado um ano da liderança de Rui Rio, o balanço é que o político “falhou”, tanto na oposição ao Governo, como na apresentação de uma estratégia sólida. “Ao fim de um ano, não se reconhece um projeto, uma estratégia ou um posicionamento, enquanto os portugueses assistem ao desfile de António Costa”, referiu.

“Esta estratégia colocou o PSD como muleta do PS e Rui Rio como bengala de António Costa”, afirmou. Luís Montenegro criticou, também, a desunião do partido e os números das sondagens, que diz nunca terem sido tão baixos como atualmente, com intenções de votos na ordem dos 24% ou 25%.

“A única preocupação da atual liderança do PSD é debitar justificações para a derrota que ela própria pre-anuncia”, disse. “Tudo isto é mau. A democracia precisa de uma oposição como deve ser, com ambição e espírito ganhador”, continuou.

Mas o desafio foi também na direção do primeiro-ministro, António Costa. “Estou aqui para dizer ao país que precisamos de um Governo novo e de um novo primeiro-ministro. Estou aqui para ser o adversário que António Costa não teve ao longo do último ano“, referiu Luís Montenegro.

(Notícia atualizada com mais informação às 16h50)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Montenegro confirma: “Estou disponível para me candidatar de imediato à liderança do PSD”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião