Produção de automóveis em Portugal atinge recorde à boleia do T-Roc

Nunca se produziram tantos carros em Portugal como no ano passado. Foram 294 mil unidades produzidas em Portugal em 2018, 224 mil das quais da Autoeuropa.

O ano que passou foi um ano de recordes na produção automóvel. No total, foram 294 mil unidades produzidas em Portugal, no que foi uma subida de 67,7% em relação ao ano anterior, de acordo com os dados da Associação do Comércio Automóvel de Portugal (ACAP).

A Autoeuropa contribuiu largamente para estes resultados, já que em 2018 saíram da fábrica de Palmela 224 mil veículos, de acordo com o Público (acesso livre). O T-Roc é um dos destaques da fábrica, que tem a produção exclusiva do modelo para o mercado europeu. A meta da fábrica para 2018 era até superior, de 240 mil carros, mas não foi atingida devido às paragens realizadas.

Daqueles produzidos em terreno nacional, a maior parte são ligeiros de passageiros, quase 235 mil carros. Este valor representa um crescimento de 85,2% face a 2017. Já nos veículos pesados verificou-se uma queda homóloga na produção, de aproximadamente 15%.

“Em 2018 foram vendidos em Portugal 273.213 veículos automóveis, alguns dos quais produzidos em Portugal, pelo que a produção atingida neste ano superou as vendas em 21.153 unidades”, aponta a ACAP. As vendas de carros sobem há seis anos, e as marcas que se encontram no pódio das mais vendidas são a Renault, a Peugeot e a Mercedes.

A exportação tem um grande peso na produção em Portugal. A larga maioria dos veículos que saíram das fábricas portuguesas, 97%, teve como destino o mercado externo, nomeadamente a Europa. Foi para a Alemanha que foram mais de um quinto dos carros produzidos, seguindo-se a França, que recebeu cerca de 15% dos veículos. Muitos dos carros seguiram também para Itália e Reino Unido.

(Notícia atualizada às 18h06)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Produção de automóveis em Portugal atinge recorde à boleia do T-Roc

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião