Vendas de carros a gasóleo afundam quase 10%

  • ECO
  • 23 Dezembro 2018

Os automóveis a gasóleo continuam a dominar as vendas, mas pela primeira vez numa década a comercialização destes motores cai. Encolhe quase 10% este ano.

As vendas de automóveis a gasóleo caíram quase 10% em Portugal, em comparação com o mesmo período do ano passado. Entre janeiro e outubro, venderam-se menos 11 mil carros a diesel do que em 2017, registando-se ao mesmo tempo um forte aumento na comercialização de veículos a gasolina e outras energias alternativas.

De acordo o Público (acesso condicionado), nos primeiros dez meses do ano foram vendidos 196.647 carros no mercado nacional, mais 9197 do que em igual período de 2017. Esse crescimento foi sustentado pelas vendas dos carros a gasolina (há um aumento de 14.478 unidades) e das energias alternativas (mais 5.626 carros).

Pelo contrário, no gasóleo venderam-se menos 11 mil carros do que em 2017, o que traduz uma queda de 9,5%. É a primeira vez nesta década que as vendas de carros diesel caem sem ser num período de crise económica — em 2012 houve uma quebra, mas nesse ano foi todo o mercado nacional que se contraiu.

Para a ACAP, esta quebra era “expectável”. Hélder Pedro, secretário-geral da Associação Automóvel de Portugal, aponta para uma tendência europeia de abandono progressivo dos motores diesel na Europa, concluindo que Portugal segue o mesmo padrão. E, ao Público, defende que a tendência dos dois últimos meses do ano deverá manter-se, prevendo uma quebra de 10% no total de 2018.

“O afastamento dos carros com motor diesel está a generalizar-se por toda a Europa”, dizia em outubro a Agência Internacional de Energia. Este afastamento traduz a crescente preocupação dos consumidores com a poluição e com a perda de valor dos automóveis em caso de revenda. É o reflexo do escândalo das emissões da Volkswagen.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vendas de carros a gasóleo afundam quase 10%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião