É um Transformer? Não. É o Model X

Primeiro veio o Model S. E enquanto se aguarda a chegada do 3, a Tesla vai fazendo sucesso com o X. Um SUV elétrico que parece um Transformer.

Os Transformers fazem parte da infância de muitos que hoje têm idade suficiente para se sentarem ao volante de um qualquer automóvel. Faziam, e ainda fazem, furor, por toda a engenhoca envolvida no processo de transformação de carro potente para o de um super-herói. O Model X traz um “cheirinho” da ficção para a realidade com as portas traseiras que abrem de forma automática… para cima.

É um verdadeiro espetáculo. Elon Musk deu um quebra-cabeças aos engenheiros da Tesla que andaram muito tempo a tentar descobrir como pôs duas asas no modelo da fabricante norte-americana, mas eles conseguiram. E é impressionante ver como de forma tão suave o X abre as Falcon Wings para deixar entrar os passageiros do banco de trás. De cada vez que é preciso abrir ou fechar, não há cabeças que não rodem para assistir ao bater das asas do Model X.

São a imagem de marca deste gigante elétrico. Sim, gigante. Tal como o S, modelo em que assenta o X, o SUV da marca é extremamente comprido. Tanto que se torna, por vezes, difícil manobrá-lo, especialmente nos parques de estacionamento (mesmo com todas os sensores e câmaras que traz para ajudar). E, não parece, mas é bastante alto. Contudo, as linhas extremamente bem desenhadas disfarçam tudo isso, apresentando-se como um automóvel elegante, delicado, mas ao mesmo tempo imponente.

Um gigante por fora. E por dentro também

Estacionado num qualquer parqueamento percebe-se bem que o X é um muito maior do que muitos outros modelos no mercado. Mas todo esse tamanho — em boa parte explicado pela necessidade de ter espaço para albergar as baterias — é muito bem aproveitado lá dentro. Para entrar não é preciso fazer nada. O X abre a porta do condutor sempre que nos aproximamos dele, ajustando o ângulo ao espaço disponível. Depois é apreciar todos aqueles metros quadrados que rivalizam com muitos T0.

Grandes poltronas, com ajustes para tudo e mais alguma coisa, dão-nos as boas-vindas a bordo num habitáculo que impressiona pelo aspeto clean. Botões? Quase não existem. Há um volante e, claro, o ecrã de grandes dimensões colocado na vertical, tal e qual o do Model S — com todos os controlos do carro, navegação e Spotify. E basta um toque na alavanca que na maioria dos automóveis limpa o vidro para o X ganhar vida, começando a mover-se muito suavemente.

Que grande… bateria

Debaixo do capot… Bem, aí não há nada. Há mais uma bagageira para juntar à mala gigante na traseira, que esconde os dois lugares que fazem do X um sete lugares. Na base do X é que está o “motor”. É uma bateria de 100 kWh que proporciona uma autonomia de 565 quilómetros ao 100D. Em utilização real a autonomia não é tão grande, mas mesmo com uma condução despreocupada são mais de 400 quilómetros sem ter de “atestar”. E mesmo quando é preciso, no Supercharger da Tesla é rápido, muito rápido.

A resposta ao pé direito é instantânea quando se pede ao X para ganhar velocidade. É impressionante ver tamanha massa mover-se energicamente, deixando para trás quase todos os automóveis com que se cruza. É muita potência transmitida às quatro rodas à velocidade da luz, deixando-nos com as costas coladas ao banco. É uma sensação fantástica que, infelizmente, obriga a pagar cerca de 120 mil euros para se ter — mas é preciso ter em conta que vem com um chauffeur incluído: é capaz de condução totalmente autónoma.

Com o pé direito pronto para acelerar, nem nos lembramos que estamos ao volante de um SUV. É verdade que a posição de condução é mais elevada, mas a sensação transmitida pelo Tesla é a de um qualquer desportivo. Quando o terreno já não permite velocidades, o X sabe-o. E ajusta-se. Se quiser levá-lo para fora de estrada — tem tração às quatro rodas –, a suspensão eleva-o automaticamente. Sobe o suficiente para um qualquer estradão, embora as jantes de 21 polegadas não achem a aventura assim tão interessante.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

É um Transformer? Não. É o Model X

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião