Açores: Terceira Tech Island cria 400 empregos até 2020

  • Lusa
  • 21 Janeiro 2019

Projeto do governo regional pretende tornar a ilha mais atrativa para empresas tecnológicas e vai reforçar formação de programadores.

O Governo dos Açores disse esta segunda-feira que os resultados do projeto Terceira Tech Island “superam, em muito, as melhores expectativas”, sendo estimada a criação de cerca de 400 empregos até final de 2020.

“Os resultados da implementação do Terceira Tech Island superaram já, em muito, as melhores expectativas e o seu sucesso e crescimento têm-se verificado a um ritmo muito mais rápido do que o previsto inicialmente”, declarou o vice-presidente do executivo açoriano, Sérgio Ávila.

Citado em nota de imprensa, o governante, titular das pastas do Emprego e da Competitividade Empresarial, salientou que, face à estimativa de criação de mais de 400 postos de trabalho até final de 2020, “compensando assim, na totalidade, a redução de emprego direto da Base das Lajes” devido à redução da presença militar dos EUA, colocam-se novos desafios.

“O grande desafio para a consolidação do Terceira Tech Island é a necessidade de reforçar e aumentar o ritmo de formação de programadores para corresponder às necessidades e procura crescente das empresas e, nesse sentido, vamos triplicar este ano o plano de formação, assegurando a entrada no mercado de trabalho de mais 160 programadores”, anunciou o vice-presidente do executivo regional.

E prosseguiu: “Atraímos e captamos empresas que pretendem criar, até ao final do próximo ano, mais de 400 novos empregos, estáveis, qualificados e muito bem remunerados, agora falta apenas conseguir mobilizar os açorianos para aproveitarem esta oportunidade de emprego e formação, aceitando o desafio de ingressar numa nova área de formação e assegurar, assim, um novo desafio profissional, uma nova carreira com muito futuro”.

O projeto Terceira Tech Island consiste na criação de um ‘hub’ tecnológico na Praia da Vitoria na área da programação e produção de ‘software’ para prestação de serviços, criado pela identificação da existência de necessidades do mercado global no âmbito das TIC (Tecnologias de Informação e Comunicação) e da oportunidade de instalar novas atividades económicas que substituíssem as derivadas da Base das Lajes.

Relativamente às oito empresas nacionais e internacionais que se instalaram na ilha Terceira, Sérgio Ávila revelou que já criaram 67 empregos diretos, permitiram a fixação de mais 100 pessoas no centro da cidade da Praia da Vitória e estão já “a programar e a produzir e apoiar software da Terceira para inúmeros países da Europa, África e América”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Açores: Terceira Tech Island cria 400 empregos até 2020

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião