Bruxelas não comenta auditoria à CGD. Destaca “progressos significativos” da banca portuguesa

  • Lusa
  • 24 Janeiro 2019

Sobre as conclusões da auditoria da EY à CGD, a Comissão Europeia não diz nada. Bruxelas prefere salientar os "progressos significativos" registados no sistema bancário luso.

A Comissão Europeia escusa-se a comentar as conclusões da auditoria independente à Caixa Geral de Depósitos (CGD), que identificou perdas significativas até 2015, preferindo salientar os “progressos significativos” registados nos últimos anos no sistema bancário português.

Questionada pela Lusa se o relatório da consultora EY (antiga Ernst&Young) relativamente à CGD suscita preocupações em Bruxelas, uma porta-voz do executivo comunitário apontou que a Comissão, “como sempre, monitoriza de perto os desenvolvimentos no setor bancário da União Europeia, incluindo em Portugal”, mas “não comenta situações de bancos específicos”.

Todavia, acrescentou, relativamente ao sistema bancário português a Comissão nota que, “nos anos mais recentes, os bancos portugueses fizeram progressos significativos ao nível do reforço da confiança nas suas folhas de balanço, reduzindo o nível de crédito malparado e melhorando a eficiência operacional”.

“Embora seja necessário prosseguir este trabalho, a qualidade dos ativos melhorou e o rácio de crédito malparado foi reduzido de forma substancial”, acrescentou.

A porta-voz observou que, num nível mais geral, o enquadramento bancário da União Europeia foi bastante reforçado, e “hoje os bancos da UE são sujeitos a uma supervisão muito mais exigente, através do Mecanismo Único de Supervisão, estão muito melhor capitalizados e têm amortecedores de liquidez suficientes para resistir a choques económicos”, o que “foi confirmado pelos recentes testes de ‘stresse’ levados a cabo pela Autoridade Bancária Europeia”.

Na quarta-feira, a vice-governadora do Banco de Portugal (BdP), Elisa Ferreira, indicou que a instituição está, para efeitos de supervisão, a “tomar em toda a conta as conclusões do relatório final” da consultora EY, recebido “há bastante tempo”.

“Foi lida, foi interpretada e está a ser utilizada nas dimensões que interessa ao BdP, que são as de supervisão. Posso dizer que o BdP, nas suas funções de supervisão, está a tomar em toda conta as conclusões do relatório final que lhe foi entregue”, disse.

Elisa Ferreira afirmou ainda que a “robustez do sistema bancário é muito grande” e espera que continue a ser, até porque mesmo durante a crise o nível de depósitos dos portugueses na banca aumentou.

A versão da auditoria da EY (antiga Ernst&Young) à CGD que tem sido noticiada refere que os administradores da instituição receberam “remuneração variável” e “voto de confiança”, mesmo com resultados negativos.

O documento é crítico, sobretudo, do período 2000-2008, em que “não foi obtida evidência dos princípios orientadores para a remuneração variável aplicada, concluindo-se que as decisões foram tomadas de forma avulsa”: “Mesmo perante resultados negativos foi decidido atribuir remuneração variável e emitido voto de confiança”, nota.

A auditoria realçou ainda que “em nenhum momento foi identificada a atribuição de remunerações variáveis em forma de instrumento financeiro” que incentivassem a um equilíbrio entre capital e riscos, nem a implementação de cláusulas de ‘clawback’, que permitem vincular os gestores com as decisões passadas.

A EY acredita que estas medidas poderiam ter contribuído para um “processo de decisão de crédito mais sustentado e atento ao risco, tendo por referência as operações analisadas na presente auditoria”, permitindo ainda apurar responsabilidades “nas perdas significativas verificadas entre 2011 e 2015”, lê-se no documento.

A agência Lusa contactou o Banco Central Europeu (BCE) sobre este tema, mas a instituição respondeu que não comenta assuntos relacionados com um banco em específico.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bruxelas não comenta auditoria à CGD. Destaca “progressos significativos” da banca portuguesa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião