Mecanismo Europeu de Estabilidade nota nível elevado de malparado em Portugal

  • Lusa
  • 24 Janeiro 2019

Apesar dos vários sinais positivos, Portugal continua com um dos maiores valores de créditos malparado da Zona Euro. É "crucial" melhorar qualidade dos ativos, diz mecanismo.

O Mecanismo Europeu de Estabilidade notou, esta quinta-feira, que, apesar de vários dados positivos, Portugal continua com um dos maiores valores de crédito malparado (non-performing loan, NPL) da Zona Euro, pelo que é “crucial” melhorar mais a qualidade dos ativos.

Matjaž Sušec, diretor adjunto de Estratégia e Relações Institucionais do Mecanismo Europeu de Estabilidades, indicou, em Lisboa, que o setor bancário nacional está mais resiliente, mas que “se mantêm os desafios” e recordou o histórico de reestruturação bancária que beneficiou a estabilidade financeira.

Com a série de quatro recapitalizações houve limpeza de balanços, o stock de NPL está mais de 1/3 abaixo do pico registado em 2016 e os resultados da banca em 2018 foram os mais altos desde a crise, mas “apesar destes progressos, Portugal ainda tem um dos níveis mais altos de NPL na zona euro”, referiu o responsável, numa conferência organizada pela Fitch.

Para Sušec, “melhorar ainda mais a qualidade dos ativos continua a ser crucial para melhorar a resiliência dos bancos e a sua capacidade de apoiar a economia”.

O especialista indicou ainda que o peso da dívida pública continua elevado e que a recuperação atual “cria algum espaço fiscal através de receitas mais elevadas e Portugal continua a reduzir a dívida” neste contexto.

Na intervenção inicial da conferência organizada pela agência de notação, o responsável começou por indicar que Portugal tem reforçado o estatuto de país que “com sucesso ultrapassou as consequências da crise passada” e que com os registos positivos económicos e “acesso robusto” aos mercados financeiros está “menos vulnerável a choques”.

No seu diagnóstico, o responsável notou a aceleração do crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) até 2,8% em 2017 e que o já notado e o esperado abrandamento nesses números se deve ao “amadurecimento global do ciclo económico ena zona euro”.

O especialista notou ainda que a contribuição líquida das exportações para o crescimento “é ligeiramente negativa”, já que a subida das importações impulsionada pela procura interna ultrapassa ligeiramente o crescimento das exportações, sublinhando, porém, as subidas consideráveis nas vendas ao estrangeiro.

O peso das exportações deverá continuar positivo, mas numa velocidade menor dado o “ambiente externo e o crescimento moderado no turismo”.

Os dados no mercado laboral foram valorizados por Sušec, assim como o trabalho que permitiu ao país um acesso sustentado ao mercado e a melhoria na avaliação feita pelas principais agências.

Entre os desafios futuros, o dirigente referiu a necessidade de manter atual confiança dos investidores com o percurso de políticas de reforma, tal como devem manter-se os esforços para reduzir a parte não transacionável da economia.

A produtividade deve aumentar e ser um motor de crescimento, consta ainda da lista enumerada, que inclui políticas fiscais prudentes para garantir a “sustentabilidade das finanças públicas”.

“O elevado nível de dívidas privada e pública precisa de ser reduzido para pavimentar o caminho para um ambiente melhorado de negócios, que sustente investimento”, concluiu o especialista, referindo que a economia nacional está suscetível a ameaças que pairam sobre outros países, como o ‘Brexit’, as disputas comerciais ou a diminuição do consumo privado.

Mas Portugal está “em melhor posição de enfrentar estes riscos que antes do programa [de assistência]”, disse o responsável, resumindo os registos positivos e notando que o país, ao entrar, como outros países da zona euro, num período menos favorável do ciclo económico deve combinar políticas que mantenha reformas e política fiscal continuadamente prudente, conforme as recomendações europeias.

“Isso é importante para continuar a ancorar as expectativas dos investidores acerca das perspetivas positivas da economia”, destacou.

Comentários ({{ total }})

Mecanismo Europeu de Estabilidade nota nível elevado de malparado em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião