Farmacêutica Hovione faz empréstimo obrigacionista de cerca de 44 milhões

  • Lusa
  • 25 Janeiro 2019

Empréstimo foi integralmente subscrito pelo BPI e vai permitir à farmacêutica "entrar num novo ciclo de elevados investimentos em capacidade produtiva".

A farmacêutica Hovione emitiu um empréstimo obrigacionista de 50 milhões de dólares (cerca de 44 milhões de euros ao câmbio atual), com vencimento em 2033.

“A emissão das obrigações faz parte da estratégia de reforço da capacidade financeira da empresa ao entrar num novo ciclo de elevados investimentos em capacidade produtiva”, afirmou o administrador financeiro (CFO) da Hovione, António Almeida, citado em comunicado.

A opção por uma emissão em dólares “pretende mitigar a exposição cambial de longo prazo que advém de termos uma parte muito significativa da nossa faturação nessa moeda”, segundo o mesmo responsável da Hovione, que investiga e desenvolve novos processos químicos e produz princípios ativos para a indústria farmacêutica mundial.

Já o presidente executivo da Hovione, Guy Villax, afirmou que o mercado ofereceu à empresa “um preço competitivo para emitir dívida a 15 anos”, acrescentando que a Hovione, que este ano celebra o 60.º aniversário da sua fundação, “constrói o seu negócio com uma visão de longo prazo”.

"A emissão das obrigações faz parte da estratégia de reforço da capacidade financeira da empresa ao entrar num novo ciclo de elevados investimentos em capacidade produtiva.”

António Almeida

Administrador financeiro da Hovione

As obrigações, denominadas “Hovione 2018-2033”, estão registadas na Euronext, têm um valor nominal total de 50 milhões de dólares americanos e um prazo de maturidade de 15 anos. O empréstimo foi integralmente organizado, montado e subscrito pelo Banco BPI, segundo o comunicado da Hovione.

Fundada em 1959, a multinacional Hovione tem laboratórios e fábricas em Portugal, na Irlanda, em Macau e nos Estados Unidos da América. Com sede em Loures, a empresa emprega 1.700 pessoas em todo o mundo, das quais cerca de 1.130 em Portugal.

A Hovione afirma no comunicado que é o maior empregador privado de doutorados em Portugal e tem oito programas de doutoramento a decorrer na empresa.

Em Portugal, a sua atividade de investigação e desenvolvimento emprega 220 técnicos e cientistas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Farmacêutica Hovione faz empréstimo obrigacionista de cerca de 44 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião