Hospitais receberam 1.400 milhões no ano passado e baixaram dívida em 358 milhões

Os hospitais fecharam o ano passado com uma dívida de 486 milhões de euros. Dados do Ministério da Saúde mostram que os hospitais usaram uma pequena parte do reforço de verbas para baixar dívida.

Os hospitais fecharam o ano passado com uma dívida a fornecedores de 486 milhões de euros, concretizou esta sexta-feira o Ministério da Saúde. O número revela uma redução de 358 milhões de euros face ao ano anterior, mas mostra também que do reforço total de verba que os hospitais tiveram em 2018 apenas 26% serviu para baixar a dívida.

Na quarta-feira, a ministra da Saúde disse no Parlamento que a dívida dos hospitais tinha fechado o ano passado abaixo de 500 milhões de euros, um valor que correspondia a 50% do registado um ano antes.

Esta sexta-feira, através de um comunicado, o Ministério da Saúde avança números mais concretos. “Os reforços de capital estatutário em 1.000 milhões de euros, acrescidos dos reforços de financiamento no montante de 400 milhões de euros aos Hospitais EPE, permitiram alcançar, no final de 2018, um valor de pagamentos em atraso de 486 milhões de euros, conduzindo a uma melhoria de todos os indicadores da dívida do SNS. Este valor corresponde a um decréscimo de 42,4% face a período homólogo de 2017.”

Isto significa uma redução da dívida de 358 milhões de euros face aos 844 milhões com que encerrou o ano de 2017. Mas significa também que a maior parte da verba que os hospitais receberam – quer por via do aumento de capital, quer por reforços de capital – e que somou 1.400 milhões de euros não foi usada para abater à dívida. O comunicado do Ministério da Saúde não adianta que outra utilização teve.

Em novembro, o secretário de Estado da Saúde, Francisco Ramos, admitiu que o ano poderia fechar com entre 400 a 450 milhões de euros de pagamentos em atraso e que o objetivo para 2019 era mesmo eliminar a dívida.

O ministério de Marta Temido salienta que “a redução de pagamentos em atraso foi possível apesar de a despesa efetiva do SNS ter aumentado, atingindo em 2018 cerca de 10.000 milhões de euros pela primeira vez, desde 2010. Este valor constitui um crescimento de 5% face a 2017 e 12% comparativamente a 2015 e deriva, em particular, do reforço com gastos com pessoal (5,3%) e materiais de consumo e medicamentos (5,5%)”.

Para este ano, o Ministério garante que “a trajetória de sustentabilidade das contas será continuada durante o ano de 2019 com o avanço do projeto de autonomia aos Hospitais EPE”.

“Está ainda associada a um melhor financiamento e a um acompanhamento mais próximo do desempenho destas entidades, esperando-se uma diminuição substancial dos ciclos de endividamento no SNS”, acrescenta o Ministério.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hospitais receberam 1.400 milhões no ano passado e baixaram dívida em 358 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião