PwC validou conclusões da auditoria da EY à Caixa

Depois da auditoria da EY à gestão da CGD, o banco público encomendou uma avaliação de qualidade à PwC. E os resultados validaram as conclusões finais.

A auditoria da EY à gestão da Caixa Geral de Depósitos (CGD) no período de 2000 a 2015 foi também, ela própria, alvo de uma avaliação de qualidade, encomendada pelo próprio banco público, liderado por Paulo Macedo. E, segundo apurou o ECO junto de fontes que conhecem o dossiê, os resultados foram positivos: a PwC validou a metodologia da EY e os resultados apurados no relatório final entregue no final de junho de 2018.

O relatório que foi divulgado há dias pela comentadora Joana Amaral Dias na CMTV — e a que o ECO também teve acesso –, revelava um volume de imparidades de 1.200 milhões de euros no final de 2015, mas é preliminar e a EY já veio dizer que só se responsabiliza pelo relatório final, que ainda não é conhecido.

Nesse comentário oficial, esclareceu ainda que o relatório final foi emitido no dia 27 de junho de 2018. “À exceção do relatório final, todos os demais documentos produzidos pela EY respeitantes à referida AIAG [auditoria] não devem ser considerados, por configurarem documentos de trabalho, terem áreas em aberto, estarem em atualização permanente, e por possuírem informação parcial, provisória, não verificada ou em validação”, sustentou a auditora.

A própria administração da CGD, questionada pela comissão parlamentar de economia, esclareceu que o relatório final é diferente daquele que é agora conhecido, mas não acrescentou mais informação. O que o ECO apurou é que a PwC testou a metodologia seguida pela auditora e chegou às mesmas conclusões.

Oficialmente, a PwC não faz quaisquer comentários, mas o ECO sabe que este tipo de procedimento é considerado normal no mercado em determinados trabalhos de auditoria, seja pela sua dimensão ou relevância, seja pela sua complexidade. A auditoria à CGD preenche todos os requisitos. A PwC validou a metodologia usada pela EY e, depois, testou-a uma amostra de créditos identificados para verificar os resultados. E terão sido coerentes com os resultados apurados no referido relatório final, ainda por divulgar e que foi enviado para o Ministério Público.

De acordo com o relatório preliminar, recorde-se, a CGD reconheceu perdas de quase 1.200 milhões de euros num conjunto de 46 financiamentos, concedidos entre 2000 e 2015, nos quais não foram cumpridas as normas de concessão de crédito. Ao longo destes anos, as sucessivas administrações do banco público ignoraram os pareceres dos órgãos competentes ou aprovaram operações que não apresentavam garantias suficientes, concretizando negócios que vieram a revelar-se de risco “considerado elevado ou grave”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PwC validou conclusões da auditoria da EY à Caixa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião