Investimento empresarial deverá acelerar 4,4% em 2019

  • Lusa
  • 25 Janeiro 2019

Empresas contam aumentar o investimento este ano. Perspetivas do INE apontam para subida do investimento empresarial de 4,4% em 2019, acelerando face ao desempenho registado em 2018.

O investimento empresarial deverá aumentar 4,4% este ano, dinamizado pelas empresas de maior dimensão, acelerando face à evolução de 1,9% em 2018, que ficou aquém dos 5,1% perspetivados, divulgou o Instituto Nacional de Estatística (INE).

“De acordo com os resultados apurados no Inquérito de Conjuntura ao Investimento de outubro de 2018 (com período de inquirição entre 01 de outubro de 2018 e 17 de janeiro de 2019), o investimento empresarial em termos nominais deverá apresentar um crescimento de 4,4% em 2019. Os resultados deste inquérito apontam ainda para um aumento de 1,9% do investimento em 2018, traduzindo uma revisão em baixa face às perspetivas reveladas no inquérito anterior (variação de 5,1%), em particular nas empresas de maior dimensão (500 ou mais pessoas ao serviço)”, informa o INE.

Segundo o instituto, o crescimento previsto de 4,4% do investimento este ano deve-se ao contributo positivo das empresas pertencentes ao 4.º escalão (6,9 pontos percentuais), em resultado de uma variação de 17,5%, e das empresas do 2.º escalão (1,8 pontos percentuais), refletindo um crescimento de 9,7%.

O indicador de difusão do investimento (percentagem de empresas que refere a realização de investimentos ou a intenção de investir) apresenta um perfil descendente em 2017, 2018 e 2019, de 89,4%, 80,2% e 77,9%, respetivamente.

O “principal fator limitativo” do investimento empresarial identificado pelas empresas em 2018 e 2019 foi a deterioração das perspetivas de venda, prevendo-se para este ano “um aumento do peso relativo da insuficiência da capacidade de autofinanciamento e da deterioração das perspetivas de venda e uma redução do peso relativo da dificuldade em obter crédito bancário e da dificuldade em contratar pessoal qualificado”.

"[Espera-se] um aumento do peso relativo da insuficiência da capacidade de autofinanciamento e da deterioração das perspetivas de venda e uma redução do peso relativo da dificuldade em obter crédito bancário e da dificuldade em contratar pessoal qualificado”

INE

“De 2018 para 2019, entre os objetivos do investimento perspetiva-se um aumento da importância relativa do investimento orientado para a racionalização e restruturação e para outros investimentos, enquanto o peso relativo do investimento associado à extensão da capacidade de produção e à substituição deverá diminuir”, refere o INE.

“Apesar da redução do seu peso relativo – acrescenta – o investimento de substituição destaca-se por ser o objetivo mais referido em ambos os anos”.

Considerando a dimensão das empresas por escalões de pessoal ao serviço, o INE destaca na variação do investimento em 2018 “o contributo positivo mais significativo” (3,6 pontos percentuais) das empresas com 500 ou mais pessoas ao serviço, refletindo um crescimento de 9,9%.

Nas empresas mais exportadoras da indústria transformadora, estima-se que o investimento tenha aumentado 6,1% em 2018, um crescimento “mais intenso” que o do conjunto das empresas desta secção (2,6%) e que o registado para o total das empresas (1,9%).

Por outro lado, em 2019 perspetiva-se uma diminuição de 2,3% do investimento empresarial nas empresas exportadoras, um decréscimo ainda assim menos expressivo do que o previsto para toda a secção de indústrias transformadoras (-6,6%).

Numa análise por atividade económica, verifica-se que em 2018 o aumento da FBCF (Formação Bruta de Capital Fixo) empresarial (1,9%) deveu-se ao contributo positivo de oito das 13 secções de atividade económica inquiridas, destacando-se o “contributo positivo mais acentuado” (2,1 pontos percentuais) da secção de atividades financeiras e de seguros, em resultado de um crescimento de 56,3%.

Em 2019, ano para o qual está previsto um crescimento de 4,4% do investimento, os resultados apontam para que oito das 13 secções apresentem taxas de variação positivas da FBCF empresarial, com destaque para os transportes e armazenagem (contributo de 3,5 pontos percentuais e taxa de variação de 42,6%).

O autofinanciamento é a principal fonte de financiamento para o investimento das empresas inquiridas, representando 67,1% e 65,6% do total em 2018 e 2019, respetivamente.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Investimento empresarial deverá acelerar 4,4% em 2019

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião