Centeno: “Ninguém descobriu o elixir do crescimento eterno”

  • Lusa
  • 31 Janeiro 2019

"Decisores políticos devem ser os principais promotores desta ideia de estabilidade no processo de crescimento", diz o ministro das Finanças. Essa a “maior preocupação enquanto responsável político”.

O ministro das Finanças, Mário Centeno, afirma que ainda ninguém descobriu o elixir do crescimento eterno e referiu que o crescimento económico é uma maratona e não uma corrida de 100 metros.

“Hoje podemos dizer que Portugal cresce acima da média da União Europeia, algo que não acontecia há muitos anos, mas não nos devemos esquecer de uma coisa. Sou economista, e ninguém descobriu o elixir do crescimento eterno. Todo o processo de crescimento económico é, fazendo uma analogia com a atividade desportiva, uma maratona, não é uma corrida de 100 metros”, afirmou Mário Centeno na cerimónia de entrega do prémio Martha de la Cal de 2018, que decorreu no Palácio da Foz, em Lisboa.

Mário Centeno frisou também que “os decisores políticos devem ser os principais promotores desta ideia de estabilidade no processo de crescimento”, e partilhou que essa tem sido a sua “maior preocupação enquanto responsável político”.

Na sua intervenção na cerimónia de entrega do prémio, o governante referiu também a mudança percecionada na imagem que os portugueses emigrados têm atualmente de Portugal.

“Pude perceber a valorização que os portugueses lá fora fazem da evolução da nossa economia, da nossa sociedade”, disse. “A reação que recebi destes nossos irmãos portugueses lá fora foi o desejo de voltar porque Portugal hoje tem uma avaliação lá fora que é muito diferente daquela que existia há não há muito tempo atrás”, acrescentou.

O também presidente do Eurogrupo foi escolhido como personalidade do ano pela Associação da Imprensa Estrangeira em Portugal. O prémio personalidade do ano/Martha de la Cal é atribuído desde 1990 por um júri de 60 jornalistas estrangeiros.

Os membros da AIEP consideraram que Centeno, enquanto presidente do Eurogrupo, ocupa “um cargo internacional de relevo, com uma forte projeção internacional, e que colocou o nome de Portugal em muitas reportagens na imprensa estrangeira”, o que se enquadra “perfeitamente nos critérios do prémio”, como explicou em comunicado o presidente da AIEP, Levi Fernandes.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Centeno: “Ninguém descobriu o elixir do crescimento eterno”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião