IMT avalia confronto entre acionistas e credores na Auto-Estradas Douro Litoral

  • Lusa
  • 31 Janeiro 2019

O Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT) está “a analisar as respetivas implicações jurídico-contratuais” do confronto entre acionistas e credores na Auto-Estradas do Douro Litoral (AEDL).

O Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT) está “a analisar as respetivas implicações jurídico-contratuais” do confronto entre acionistas e credores na Auto-Estradas do Douro Litoral (AEDL).

Questionado pela agência Lusa, o organismo confirmou que tem “sido notificado pelas partes – acionistas e credores – sobre as iniciativas tomadas nos domínios societário e dos contratos de financiamento, e está a analisar as respetivas implicações jurídico-contratuais”.

Em 24 de janeiro, os credores da AEDL assumiram as participações sociais da concessionária, explicando que que nos últimos cinco anos falharam os pagamentos de diversos compromissos.

“Em 24 de janeiro de 2019 as participações sociais da concessionária AEDL foram transferidas para um conjunto de credores liderado pelos fundos de investimento geridos ou assessorados pela Strategic Value Partners LLC e suas afiliadas (“SVPGlobal”) e Cross OceanAdviser LLP e as suas afiliadas (“Cross Ocean Partners”)”, lê-se na nota da AEDL.

Segundo o mesmo texto, a concessionária, nos últimos cinco anos, “tem incumprido as suas obrigações de pagamento de reembolsos de capital, juros, custos e comissões dos seus contratos financeiros, devido a uma estrutura de custos elevados e níveis de tráfego que estão abaixo das expectativas originais”.

A AEDL foi concessionada à Brisa em 2007, por 27 anos, e foi “alvo de um investimento de cerca de 1.000 milhões de euros”, segundo informação da página da internet da Brisa.

Em 28 de janeiro, fonte da Brisa disse à Lusa que a empresa tinha interposto “uma providência cautelar para travar a tomada de controlo dos credores da Autoestradas do Douro Litoral, depois de ter anunciado que iria usar “todos os meios” para repor a legalidade na AEDL.

Por sua vez, em 29 de janeiro, os fundos que tomaram o controlo da AEDL referiram que a providência cautelar da Brisa é uma tentativa de intimidação e de se “furtar” às obrigações contratuais.

“A providência cautelar requerida pela Brisa é uma tentativa de intimidar e frustrar os novos acionistas, de criar uma situação de litígio e de se furtar às obrigações contratuais que negociou livremente”, indicaram os fundos.

Em comunicado, os novos acionistas recordaram que são credores da dívida da AEDL há vários anos, tendo estado em negociações com a Brisa “durante parte substancial desse período”.

“A Brisa impôs centenas de milhões de euros de prejuízos ao setor financeiro, incluindo a vários bancos que tiveram que ser sujeitos a intervenção governamental”, acusaram.

Indicaram também que a “AEDL está em incumprimento das suas obrigações decorrentes do empréstimo há cinco anos, mas a Brisa tem continuado a ser integralmente paga durante esse período, em montantes avaliados em mais de 40 milhões de euros, ao abrigo do seu contrato de operação e manutenção”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

IMT avalia confronto entre acionistas e credores na Auto-Estradas Douro Litoral

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião