Barragens ultrapassam carvão na eletricidade da EDP. Produção aumentou 3%

Dados provisórios da operação da EDP no ano passado indicam aumento da produção e da capacidade instalada. Resultados são divulgados a 12 de março.

A produção de eletricidade da EDP subiu 3%, em 2018, para 72.054 Gigawatts por hora (GWh). A energia renovável cresceu 22%, com as barragens a ultrapassarem pela primeira vez o carvão, de acordo com os dados provisórios divulgados pela empresa, à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). A capacidade instalada também cresceu, 1% para 27,1 GW, sendo que toda a nova capacidade nos últimos 12 meses foram parques eólicos, maioritariamente na América do Norte.

“A produção eólica subiu 2%, com o aumento da capacidade a compensar os menores fatores de utilização”, afirmou a empresa, sobre a fonte de produção de eletricidade que se mantêm como principal para a empresa. “A produção hídrica subiu 70%, com recursos hídricos mais elevados na Península Ibérica e Brasil”, refere o comunicado.

O volume de eletricidade distribuída pela EDP cresceu em todos os mercados, com Portugal a aumentar 2,6% em 2018 face a 2017, “impulsionado sobretudo pelo segmento residencial, e pelo Brasil com uma subida de 3,1%”, explicou. Em Espanha, a subida foi mais ligeira (0,6%) e no Brasil mais forte (3,1%).

No final de dezembro, a EDP tinha 4,1 milhões de clientes em Portugal, o que representa uma quebra de 52 mil clientes (-1,3%) face ao período homólogo. No gás, aumentou 0,3% o número de clientes portugueses para 659 mil. O preço médio da eletricidade no mercado ibérico aumentou 10% para 57,3 euros por megawatt por hora.

Os resultados da EDP relativos a 2018 vão ser divulgados no dia 12 de março, antes da abertura da bolsa, e na mesma manhã, irá apresentar uma atualização da estratégia. Nos primeiros nove meses do ano passado, os lucros da empresa liderada por António Mexia totalizaram 297 milhões de euros, menos 74% que no período homólogo, prejudicados por provisão extraordinária de 285 milhões de euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Barragens ultrapassam carvão na eletricidade da EDP. Produção aumentou 3%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião