Chineses suspendem conversas com reguladores europeus sobre OPA à EDP, avança a Reuters

De acordo com a Reuters, os chineses da China Three Gorges suspenderam as conversações com as autoridades europeias a propósito da oferta pública de aquisição sobre a EDP.

De acordo com a Reuters, os chineses da China Three Gorges (CTG) suspenderam há mais de um mês as conversações com as autoridades europeias a propósito da oferta pública de aquisição (OPA) sobre a EDP.

Três fontes próximas do processo adiantaram que o interesse da companhia chinesa na aquisição da elétrica nacional liderada por António Mexia arrefeceu nos últimos tempos devido a uma “combinação de fatores”: a mudança da liderança da própria CTG, ocorrida no final de agosto do ano passado e que o ECO avançou em primeira mão, as perspetivas de um aperto na regulação europeia em relação ao investimento estrangeiro e também a subida das tarifas de eletricidade na Europa.

Ainda de acordo com as mesmas fontes, a CTG ainda não finalizou a entrega de toda a documentação da OPA sobre a EDP tanto na Europa e nos EUA, isto apesar de a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) não ter sinais de que os chineses estão a preparar para deixar cair o negócio.

A OPA chinesa foi lançada a 11 de maio, há pouco mais de oito meses. A CTG, que já detém 23% do capital da EDP, oferece 3,26 euros por cada ação que ainda não detém na empresa portuguesa, num negócio avaliado em mais de nove mil milhões de euros. Há também uma oferta em cima da mesa sobre a EDP Renováveis (7,10 euros por ação), processo que está ligado ao sucesso da OPA sobre a casa-mãe.

Contactada pela Reuters, fonte oficial da CTG afirmou que a empresa chinesa “continua a progredir com os registos regulatórios, continuando a trabalhar com um conjunto completo de assessores em discussões com os reguladores em diferentes jurisdições e no cumprimento de todas as condições prévias para o lançamento da oferta pública de aquisição à EDP”.

“Os timings e o calendário atuais para as aprovações estão em linha com outros negócios comparáveis desta magnitude e complexidade”, acrescentou fonte oficial da CTG.

Para que a OPA seja registada na CMVM, os chineses precisam de obter todas as autorizações dos reguladores e autoridades em várias jurisdições em todo o mundo. Mas é sobretudo na Europa e nos EUA onde se concentram as maiores dificuldades.

No plano europeu, os obstáculos têm sobretudo a ver com as regras do “unbundling”, que obrigam à separação dos negócios de distribuição e produção de energia, uma questão que é particularmente sensível em Portugal dado que duas empresas controladas pelo Governo chinês assumem protagonismo tanto na EDP (CTG), como na REN (State Grid). Ou seja, para que a OPA avançasse, isso colocaria em risco a autorização da REN enquanto operador independente na gestão da rede elétrica nacional.

Além disso, recentemente, a União Europeia propôs a 28 de novembro novas regras de escrutínio para o investimento estrangeiro na espaço comunitário, proposta esta que vai ser votada em fevereiro ou março. A Comissão Europeia rejeitou prestar qualquer declaração.

“Que este sentimento anti-chinês está a crescer também na Europa é um facto, e podemos ver como isso está a desencorajar a CTG”, confessou uma fonte do setor bancário à Reuters.

Nos EUA, também crescem as dificuldades para os investidores chineses, sobretudo depois das acusações americanas em relação à atividade da tecnológica chinesa Huawei (acusada de espionagem) e numa altura em que a guerra comercial entre Washington e Pequim continua sem resolução à vista.

A EDP também não comentou a questão, mas esta sexta-feira, o próprio António Mexia, presidente da empresa, reconheceu que o ambiente na Europa e nos EUA está “um pouco mais azedo” para a concretização da OPA chinesa. Pediu que os reguladores clarificassem todo o processo.

“Vimos o compromisso da CTG com a oferta, vimo-los fazer o que precisavam de fazer. Mas penso que o ambiente tanto na Europa como nos EUA está um pouco mais azedo”, admitiu o gestor português em entrevista ao canal norte-americano CNBC, à margem do Fórum Económico Mundial de Davos.

(Notícia atualizada às 20h37 com declarações de fonte oficial da CTG)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Chineses suspendem conversas com reguladores europeus sobre OPA à EDP, avança a Reuters

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião