Fed atira ações mundiais para o melhor janeiro de sempre. Euro, dívida e petróleo também beneficiam

Jerome Powell colocou o ciclo de subidas dos juros de referência dos EUA em pausa e os mercados globais celebraram. O índice MSCI World acumula já uma valorização quase 7% desde o início do ano.

A Reserva Federal norte-americana garantiu estar preparada para ser “paciente” e, tanto as bolsas globais como o euro, a dívida e o petróleo celebraram. Com os ganhos desta quinta-feira, o índice de ações mundiais MSCI World Stocks, que agrega títulos de 47 países, acumula já uma valorização de quase 7%.

O MSCI World Index, que está avaliado em quatro biliões de dólares, segue em alta há 20 das últimas 23 sessões. Prepara-se, assim, para fechar o melhor janeiro desde a criação do índice, em 1988, e a melhor performance mensal desde outubro de 2015.

Após um fecho de Wall Street com ganhos em torno dos 2% e das bolsas asiáticas terem subido mais de 1%, a Europa acordou também animada pelas palavras de Jerome Powell. O presidente da Reserva Federal dos EUA ter sinalizado que o ciclo de aumentos na taxa diretora, que dura há três anos, poderá entrar em pausa. “Os motivos que justificam novas subidas dos juros estão, de certa forma, a perder força”, afirmou em conferência de imprensa, esta quarta-feira à noite, após a reunião de dois dias de política monetária.

Acrescentou que “dependendo dos dados económicos”, a redução da folha de balanço — que foi insuflada pelos ativos comprados nos estímulos monetários durante a crise — também poderá desacelerar. “A normalização irá terminar proximamente”, sublinhou.

Variações percentuais do MSCI World Stocks nos meses de janeiro desde 2010

Fonte: Reuters

Além das ações, também o euro, o petróleo e a dívida estão a beneficiar das declarações de Powell. “O rally realmente anima todos os barcos”, afirmou Guido Chamorro, gestor de portefólio de mercados emergentes da Pictet, em declarações à agência Reuters.

No mercado de dívida, a yield das Treasuries a 10 anos caiu para 2,66%, em mínimos de duas semanas. Na Europa, o juro das Bunds alemãs e o da dívida benchmark francesa caíram para mínimos de de quatro semanas e dois anos, respetivamente. Também nos países do sul europeu, a tendência foi a mesma. No caso de Portugal, a yield das obrigações a 10 anos desceram para 1,62%, valor que não tocavam desde abril do ano passado.

Nas divisas, o euro está a beneficiar do enfraquecimento da par norte-americana e aprecia-se 0,06% para 1,1487 dólares. Em sentido contrário, o dólar caiu para mínimos de três semanas face às principais pares internacionais.

Os ativos de riscos estão a dançar nas ruas e o dólar está na rua da amargura“, afirmou o estrategista da Societe Generale, Kit Juckes. “Ainda poderemos ter uma subida dos juros da Fed em junho, mas o que interessa é onde vai a política a médio prazo e o mercado de moeda poderá ultrapassar essa possibilidade e vender o dólar de qualquer forma”.

A descida do dólar está a impulsionar também o mercado petrolífero, que sobe pelo terceiro dia consecutivo (também impulsionado pela crise na Venezuela, que detém as maiores reservas do mundo). O crude WTI negociado em Nova Iorque avança 0,06% para 54,26 dólares por barril, enquanto o brent londrino sobe 0,50% para 61,96 dólares por barril.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fed atira ações mundiais para o melhor janeiro de sempre. Euro, dívida e petróleo também beneficiam

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião