Bank Millennium aumenta lucros. Não vai pagar dividendos ao BCP

O Bank Millennium, controlado pelo BCP, não vai entregar dividendos a Miguel Maya. Justificação é a compra do Euro Bank que vai custar 428 milhões.

O Bank Millennium aumentou os resultados líquidos no ano passado. Mas ao contrário do que foi defendido pelo CEO do banco polaco do BCP, não haverá dividendos para a instituição liderada por Miguel Maya. Vai manter os lucros para pagar a compra do Euro Bank por 428 milhões de euros.

De acordo os dados publicados pela Reuters, a instituição polaca detida em 50,1% pelo BCP, registou um crescimento de 12% nos resultados líquidos do ano passado, em comparação com o período homólogo. Fechou 2018 com lucros de 760,7 milhões de zlotys (177,5 milhões de euros), um “resultado líquido recorde”, diz o BCP à CMVM.

A totalidade desse valor será mantida nos “cofres” do banco. Se em 2017 não foram pagos dividendos devido a requisitos regulatórios, com base nos lucros do ano passado não haverá distribuição de lucros devido à compra do Euro Bank.

Foi em novembro que o BCP revelou que o Bank Millennium chegou “a acordo para a aquisição à Société Générale Financial Services Holding, uma subsidiária da Société Générale S.A., de uma participação de 99,79% no Euro Bank, por um valor total estimado em 1.833 milhões de zlotys (…), a ser pago em cash e totalmente financiado por meios próprios do Bank Millennium”.

João Brás Jorge, CEO do Bank Millennium, chegou a admitir, em declarações à Reuters, voltar a pagar dividendos ao banco liderado por Miguel Maya, este ano. Contudo, mais tarde, o vice-presidente veio gorar as expectativas, justificando o não pagamento com o investimento realizado no Euro Bank.

Os 428 milhões de euros a pagar pelo banco do Société Générale vão permitir reforçar a posição do Bank Millennium na banca polaca, tornando-o num dos seis maiores bancos naquele país em número de clientes de retalho. Deverá incrementar os resultados do Bank Millennium em 26% já a partir de 2021.

(Notícia atualizada às 7h38 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bank Millennium aumenta lucros. Não vai pagar dividendos ao BCP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião