Portugal vai crescer mais que a Zona Euro este ano e em 2020, diz Bruxelas

A Comissão reviu em baixa as previsões de crescimento para a Zona Euro, mas Portugal aguenta-se. Entre 2018 e 2020, a economia nacional cresce acima dos parceiros.

A Comissão Europeia cortou as previsões de crescimento para a Zona Euro e para Portugal, mas a economia nacional consegue aguentar-se na comparação. Nos três anos para os quais há previsões — entre 2018 e 2020 — o PIB português cresce mais do que o do conjunto dos países da moeda única, para onde seguem cerca de 75% das exportações nacionais.

No conjunto dos países do euro, o PIB deverá crescer 1,9% em 2018, 1,3% em 2019 e 1,6% em 2020, segundo as Previsões de Inverno publicadas esta quinta-feira pelo executivo comunitário. Em novembro do ano passado, Bruxelas apontava para um crescimento de 2,1%, 1,9% e 1,7%, respetivamente em cada um dos anos.

Ou seja, Bruxelas está mais pessimista para todos os anos. No entanto, este corte nas previsões que afetou Portugal, não prejudicou Portugal quando se compara diretamente com o bloco do euro.

Em Portugal, o PIB deverá crescer 2,1% no ano passado (duas décimas mais do que a Zona Euro), 1,7% este ano (quatro décimas mais que a Zona Euro) e 1,7% (uma décima acima).

Isto significa que Portugal não escapa à tendência de revisão em baixa neste exercício de previsões, mas consegue manter um desempenho melhor do que os parceiros comerciais mais diretos e até inverter a ideia de que poderia crescer menos do que a Zona Euro este ano. Nas Previsões de Outono, Bruxelas via Portugal a crescer 1,8% e a Zona Euro 1,9%. Agora, trocam de posições.

Na documentação que acompanha as Previsões de Inverno, a Comissão explica que a atividade económica apresentou um crescimento mais moderado na segunda metade do ano passado devido ao abrandamento do comércio mundial, a incerteza afetou a confiança e a riqueza produzida em alguns estados membros foi atingida de forma negativa por fatores internos e temporários, “tais como a disrupção na produção de carros, tensões sociais e incerteza quanto à política orçamental”.

Entre as maiores economias da União Europeia houve revisões do crescimento para 2019, de “dimensão considerável”, na Alemanha, Itália e Países Baixos. Algumas economias continuam apoiadas numa procura interna robusta, também suportada por fundos comunitários.

A Comissão Europeia vê no horizonte um “nível mais elevado de incertezas” e, por isso, as previsões têm apresentam “riscos descendentes”. As tensões comerciais aliviaram “mas ainda são uma preocupação”, o abrandamento da economia chinesa poderá ser “mais acentuado” e os mercados financeiros globais e os mercados emergentes estão “vulneráveis” a mudanças bruscas.

(Notícia atualizada)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal vai crescer mais que a Zona Euro este ano e em 2020, diz Bruxelas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião