Hoje nas notícias: Enfermeiros, paridade e misericórdias

  • ECO
  • 7 Fevereiro 2019

Dos jornais aos sites, passando pelas rádios e televisões, leia as notícias que vão marcar o dia.

A plataforma digital escolhida pelos enfermeiros para recolher fundos para as greves já recebeu 72 mil euros em comissões pagas por estes profissionais, revela o Correio da Manhã. No plano político, PS e PSD já têm um acordo para apertar os critérios da paridade nos órgãos de poder, avança o Diário de Notícias. Estas são as notícias que estão a marcar a atualidade portuguesa.

Enfermeiros pagam comissão de 72 mil euros

A plataforma de financiamento coletivo PPL já ganhou um total de 72 mil euros em comissões com as duas campanhas de angariação de fundos que foram lançadas pelos enfermeiros. Os enfermeiros têm recorrido ao crowdfunding para financiarem as duas greves cirúrgicas, a primeira entre 22 de novembro e 31 de dezembro, e a segunda, que começou a 31 de janeiro e deverá prolongar-se até 28 de fevereiro. No total, os enfermeiros já angariaram mais de 784 mil euros com a plataforma.

Leia a notícia completa no Correio da Manhã (acesso pago).

Há acordo para haver mais mulheres nos órgãos de poder

O PS e o PSD chegaram a acordo para que haja um ainda maior equilíbrio na representação entre homens e mulheres nos órgãos de poder. Um dos sexos terá de figurar em pelo menos 40% dos lugares disponíveis, quando antes era um terço. “Entende-se como paridade, para efeitos de aplicação da presente lei, a representação mínima de 40% de cada um dos sexos, arredondado, sempre que necessário, para a unidade mais próxima”, indica o texto aprovado para substituir a proposta do Governo.

Leia a notícia completa no Diário de Notícias (acesso pago).

Dividendos da CGD têm de manter rácios de capital acima dos 14%

Os lucros de 500 milhões de euros alcançados pela Caixa Geral de Depósitos (CGD) em 2018 deverão traduzir-se em cerca de 200 milhões de euros em dividendos para o Estado. É o valor máximo que o banco público poderá pagar sem deteriorar de forma expressiva os rácios de capital, uma vez que a CGD terá de manter estes rácios acima dos 14%. E os dividendos que o banco tenciona pagar ainda têm de passar pelo crivo de Bruxelas.

Leia a notícia completa no Jornal de Negócios (acesso pago).

Fundo do UBS compra portuguesa Gascan por mais de 100 milhões

A Gascan, distribuidora portuguesa de gás propano, foi vendida pela Artá Capital a um fundo gerido pelo UBS por mais de 100 milhões de euros. A operação foi fechada esta semana. A Gascan conta com mais de 70 mil clientes e distribui cerca de 13 mil toneladas de gás por ano. Detida pelo grupo March, a Artá Capital tinha comprado a Gascan ao fundo Explorer em 2017, por 70 milhões de euros.

Leia a notícia completa no Jornal de Negócios (acesso pago).

“Tem de haver correção dos valores pagos às Misericórdias”, denuncia Manuel Lemos

Manuel Lemos, presidente da União das Misericórdias Portuguesas (UMP), diz conhecer casos em que o Estado só comparticipa em 30% as respostas sociais dadas pelas misericórdias portuguesas, quando devia pagar metade. Apontando para “problemas óbvios de sustentabilidade”, Manuel Lemos deu um exemplo: “Num grande centro urbano, como a Grande Lisboa e o Grande Porto, um idoso custa às misericórdias à volta de 1.300 euros. E o Estado paga 358 euros. Estamos francamente abaixo dos 30%”, denunciou.

Leia a entrevista completa na Rádio Renascença (acesso livre).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hoje nas notícias: Enfermeiros, paridade e misericórdias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião