Fundo Cerberus comprou carteira de imóveis no valor de 600 milhões ao Santander Totta

Foi o fundo Cerberus que comprou ao Santander Totta a carteira de imóveis no valor de 600 milhões de euros que pertenciam ao Popular Portugal. Venda gerou 50 milhões para os lucros em 2018.

Apresentação de resultados do Santander Totta - 04FEV19
Pedro Castro e Almeida, CEO do Santander Totta, apresentou resultados de 500 milhões de euros em 2018.Hugo Amaral/ECO

O fundo norte-americano Cerberus foi o comprador da carteira de imóveis no valor de 600 milhões de euros que o Santander Totta colocou à venda no final do ano passado, apurou o ECO junto de fonte do mercado.

A transação do designado “Projeto Tagus” ficou concluída apenas em dezembro e ajudou o banco liderado por Pedro Castro e Almeida a registar lucros de 500 milhões em 2018. Na corrida por esta carteira de ativos tóxicos que pertenciam ao Popular Portugal estavam ainda a Apollo, a Bain Capital (que tem comprado crédito malparado à Caixa Geral de Depósitos) e a Arrow Global.

O ECO tentou contactar o Santander Totta, mas não obteve resposta até à publicação deste artigo.

Durante a apresentação de resultados, o administrador financeiro Manuel Preto explicou que se tratou de um conjunto de ativos imobiliários que passaram para Santander Totta com a integração do Popular Portugal no final de 2017. “Tentamos muito rapidamente alienar estes ativos porque achamos que gestão do banco deve estar concentrada naquilo que é concessão de novo crédito à economia e não estar a gerir carteiras que já estão adequadamente provisionadas e que de pouco adicional trazem aos resultados do banco“, disse.

"A gestão do banco deve estar concentrada naquilo que é concessão de novo crédito à economia e não estar a gerir carteiras que já estão adequadamente provisionadas e que de pouco adicional trazem aos resultados do banco.”

Manuel Preto

Administrador financeiro do Santander Totta

Manuel Preto adiantou depois que a alienação daquela carteira de imóveis deu um contributo positivo de cerca de 50 milhões de euros para os resultados do ano passado, através da libertação de provisões feitas para estes ativos.

O Santander Totta registou uma subida de 14,6% dos lucros para 500 milhões de euros em 2018. Fechou o ano com um rácio de malparado de 4% e que evidencia a qualidade dos ativos do banco.

Por causa disto, revelou ainda Manuel Preto, não é expectável que o banco venha a colocar carteiras significativas de crédito malparado no mercado nos próximos tempos. “O rácio já é razoavelmente baixo. Começa também a ser difícil encontrar carteiras que sejam atrativas para os investidores, que exigem algum tipo de granularidade neste tipo de carteiras”, sublinhou o administrador.

Quanto ao Cerberus, este fundo norte-americano esteve na corrida pela maior carteira de malparado alguma vez vendida em Portugal, o “Projeto Nata”, composto por crédito em incumprimento no valor de 2,15 mil milhões de euros que o Novo Banco vendeu em dezembro ao fundo KKR.

Foi também o Cerberus que comprou o banco BES Vénétie ao Novo Banco no final do ano passado por cerca de 50 milhões de euros, tendo perdido a corrida pela banco espanhol da Caixa Geral de Depósitos para o Abanca.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fundo Cerberus comprou carteira de imóveis no valor de 600 milhões ao Santander Totta

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião