Ao Partner e Berlingo, Mangualde junta a produção do Opel Combo

A fabricação do Combo será partilhada com a fábrica de Vigo (Espanha), que já produz a marca Opel desde julho de 2018.

Mangualde dá as boas-vindas a um novo modelo. Além produção dos novos Peugeot Partner/Rifter e Citroën Berlingo/ Berlingo Van, a fábrica da PSA vai passar a produzir o modelo idêntico, mas da Opel, o Combo. A fabricação deste modelo será partilhada com a fábrica de Vigo, em Espanha.

O Centro de Mangualde irá incluir, a partir do segundo semestre de 2019, a produção do novo Opel Combo, em duas variantes — comercial e de passageiros. Este novo modelo vai possibilitar uma maior estabilidade e flexibilidade dos volumes de produção, permitindo que a fábrica se torne mais competitiva para responder a um mercado automóvel cada vez mais exigente”, refere a PSA.

OPEL Combo

A fabricação do Combo não será, contudo, exclusiva de Mangualde. “Será partilhada com a fábrica de Vigo (Espanha), que já produz a marca Opel desde julho de 2018”, refere a empresa em comunicado. “Os principais mercados de destino dos modelos Opel Combo produzidos na fábrica de Mangualde serão Portugal, Espanha, França e Itália”, acrescenta.

O Combo junta-se aos novos Peugeot Partner/Rifter e Citroën Berlingo/ Berlingo Van, que começaram a ser produzidos nesta unidade portuguesa no ano passado. “Para receber a produção destes veículos com os melhores níveis de eficiência, o Centro realizou um profundo processo de modernização e uma das mais importantes transformações industriais da sua história”, destaca a PSA.

“Esta nova geração de veículos comerciais ligeiros do Groupe PSA está a ser produzida sobre a plataforma EMP2 e em exclusivo mundial nas duas fábricas ibéricas – Mangualde e Vigo”, sublinha o comunicado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ao Partner e Berlingo, Mangualde junta a produção do Opel Combo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião