The shoes must go on

Cerca de 90 empresas portuguesas vão estar este fim de semana na MICAM, em Milão, uma das mais importantes feiras de calçado do mundo.

Milão prepara-se para receber a arte do calçado português. É esse o mood da nova campanha Portuguese Shoes, que celebra a arte e o movimento, tendo como protagonistas os bailarinos da Companhia Nacional de Bailado. Para assinalar uma década de internacionalização, a APICCAPS escolhe a dança como metáfora da elegância e da força que tem tido o calçado nacional na afirmação no mercado global.

“A evolução recente da nossa indústria permite elevar o calçado português ao estatuto de objeto de arte. Esta é uma campanha substancialmente diferentes de todas as outras efetuadas até hoje, mas nem por isso é menos ousada: renovamos a ambição de tornar o calçado português uma grande referência internacional, pelo design, inovação e bom gosto”, afirma Luís Onofre, presidente da APICCAPS.

O calçado como uma forma de arte é um conceito que irá acompanhar a estratégia internacional das marcas portuguesas ao longo de todo o ano, nas mais de 60 feiras pelo mundo, e que se estreia já este fim de semana em Milão, na MICAM, uma das principais na fileira do calçado.

Este ano, Portugal será a segunda maior delegação estrangeira presente na MICAM, logo a seguir a Espanha, com uma representação que corresponde a mais de oito mil postos de trabalho e, sensivelmente, 500 milhões de euros de exportações.

Depois de, em 2018, as exportações terem aumentado em volume mas recuado em valor, a APICCAPS vai investir este ano mais de 18 milhões de euros em promoção externa para reposicionar o calçado português nos mercados externos, elevando cada sapato made in Portugal ao estatuto de uma obra de arte.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

The shoes must go on

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião