PSD diz que “não há intocáveis”. Quer ouvir Carlos Costa na comissão de inquérito

Leitão Amaro diz que não há ex-gestores da CGD que sejam "intocáveis". Critica iniciativa do Bloco de Esquerda porque presta mau serviço à comissão de inquérito, onde Carlos Costa tem de ser ouvido.

Para o PSD,não há intocáveis e todos os que estiveram envolvidos como administradores, diretores, auditores, supervisores e governantes, estão sujeitos ao escrutínio público e do Parlamento, na comissão de inquérito parlamentar que está prestes a começar”.

Assim reagiu António Leitão Amaro, deputado do PSD, em relação ao projeto de resolução apresentado esta segunda-feira pelo Bloco de Esquerda, que quer que o Governo demita o governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, devido a “responsabilidades em processos de decisão de crédito aparentemente ruinosos” na Caixa Geral de Depósitos (CGD) durante a sua passagem pelo banco público entre 2004 e 2006.

Ainda assim, o deputado social-democrata vê a iniciativa bloquista como “um muito mau serviço à comissão parlamentar de inquérito e ao esforço parlamentar de responsabilização“.

"Para o PSD não há intocáveis e todos os que estiveram envolvidos como administradores, diretores, auditores, supervisores e governantes, estão sujeitos ao escrutínio público e do Parlamento, na comissão parlamentar de inquérito que está prestes a começar.”

António Leitão Amaro

Deputado do PSD

“Antes da comissão parlamentar de inquérito, o Bloco de Esquerda já está a escolher seletivamente um responsável particular, quando há vários outros responsáveis, incluindo o governador do Banco de Portugal do tempo em que o essencial da gestão ruinosa aconteceu”, disse Leitão Amaro.

O responsável do PSD considera assim que se trata de um “mau serviço e, quem sabe, o Bloco de Esquerda estará outra vez a tentar disfarçar responsabilidade de alguém”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PSD diz que “não há intocáveis”. Quer ouvir Carlos Costa na comissão de inquérito

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião