Rui Vilar: “CGD não é autoridade judiciária nem administrativa”

O chairman da CGD, Rui Vilar, disse que "não cabe" ao banco público julgar os atos de anteriores gestores, pois não é "autoridade judiciária nem administrativa".

O chairman da CGD garantiu esta segunda-feira que o banco público “fará tudo o que estiver ao seu alcance na defesa dos seus interesses institucionais e materiais”, mas lembrou que “não lhe cabe julgar” as ações dos ex-gestores. No entanto, na iniciativa Encontros Fora da Caixa, em Portalegre, Rui Vilar sublinhou que a CGD não é autoridade judiciária nem autoridade administrativa e sancionatória”.

Reconhecendo que a auditoria independente da EY aos atos de gestão entre 2000 e 2015 é um “tema que tem estado na primeira linha” da agenda política e mediática, o chairman do banco público ressalvou que a empresa “tem um plano estratégico para cumprir”, plano esse que foi acordado com Bruxelas “para que a recapitalização de 2017” não fosse considerada uma ajuda de Estado.

Nesse sentido, Rui Vilar garantiu que não só a Caixa está a cumprir esse plano como está “a ultrapassá-lo em muitas das metas”. “Este labor tem sido reconhecido nas melhorias do rating pela Moody’s e Fitch e pela cotização das obrigações subordinadas [da CGD] nos mercados secundários, que têm uma yield cada vez mais favorável”, disse o chairman da CGD.

A auditoria da EY, que foi entregue ao Parlamento depois de amplamente divulgada na comunicação social, pôs a descoberto a lista dos maiores créditos em incumprimento concedidos pelo banco público em 15 anos de atividade, tendo revelado que alguns gestores, na altura, atribuíram crédito sob parecer desfavorável do departamento de risco, sem justificação aparente.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rui Vilar: “CGD não é autoridade judiciária nem administrativa”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião