Nissan e crise do diesel afundam lucros da Renault

  • Lusa
  • 14 Fevereiro 2019

A faturação do grupo caiu 2,3% para 57.419 milhões de euros, apesar das boas notícias da sua subsidiária russa Avtovaz.

A Renault lucrou no ano passado 3.302 milhões de euros, menos 36,6% do que em 2017, o que se explica, sobretudo, por uma quebra na contribuição da sua parceira Nissan, mas também pela crise dos motores diesel.

A Nissan, que em 2017 tinha contribuído com 2.791 milhões de euros para os resultados da Renault, passou um ano depois a contribuir com 1.509 milhões de euros, sobretudo devido ao colapso dos lucros do grupo japonês, do qual a Renault é o primeiro acionista, com 43% do capital.

Ao apresentar os seus resultados anuais num comunicado divulgado hoje, a Renault explicou que, além da contribuição da Nissan, o seu resultado operacional foi reduzido em 819 milhões de euros, fixando-se em 2.987 milhões de euros.

Nesta quebra pesaram, com quase 300 milhões de euros, a provisão para o programa que foi lançado em França para facultar o fim de carreira a um grupo de empregados e, com mais de 200 milhões, as consequências da crise na Argentina.

A faturação do grupo caiu 2,3% para 57.419 milhões de euros, apesar das boas notícias da sua subsidiária russa Avtovaz, que teve um aumento de 11,5% para 3.040 milhões.

A diminuição do volume de negócios é essencialmente explicada pelo efeito negativo da desvalorização em relação ao euro das moedas dos países onde tem atividade, mas também pelo declínio do gasóleo na Europa e pelo abandono dos seus negócios no Irão, devido às sanções impostas ao país pelos Estados Unidos.

Em contrapartida, a Renault conseguiu elevar o preço médio dos carros vendidos na Europa e nos mercados emergentes.

A margem operacional caiu para 3.612 milhões de euros, em comparação com 3.854 milhões em 2017, o que representou uma margem de 6,3%, três décimas a menos.

A nova direção da Renault, após a renúncia no mês passado de Carlos Ghosn — preso no Japão desde o final de novembro, acusado de irregularidades à frente da Nissan –, indicou que, apesar da deterioração dos resultados, proporá a distribuição de um dividendo de 3,55 euros por ação, tal como no ano passado.

E quanto às perspetivas para 2019, a nova direção do grupo disse estar confiante no aumento da faturação, numa margem operacional de cerca de 6% e num fluxo de caixa positivo na atividade automóvel.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nissan e crise do diesel afundam lucros da Renault

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião