ASAE já sabe quem financiou as greves cirúrgicas dos enfermeiros

A CNPD considera que a ASAE pode aceder aos dados de quem contribuiu para o financiamento das greves dos enfermeiros em blocos operatórios. PPL já os enviou, incluindo os anónimos.

A PPL Crowdfunding já enviou à ASAE os dados de todas as pessoas que fizeram donativos nas duas campanhas que serviram para financiar as greves cirúrgicas, incluindo os anónimos. A informação foi confirmada ao ECO por um responsável da plataforma usada pelos enfermeiros para angariarem mais de 700 mil euros para continuar a pagar o salário aos colegas grevistas.

A empresa portuguesa tinha adiado a entrega desta informação àquela autoridade, por considerar que existiam “dúvidas” quanto a legalidade do pedido ao abrigo do Regulamento Geral de Proteção de Dados (RGPD). Já esta sexta-feira, a CNPD emitiu o parecer que tinha sido pedido, considerando que a ASAE pode aceder aos dados de quem contribuiu para o financiamento das greves dos enfermeiros em blocos operatórios.

“Enviámos toda a informação pedida”, disse ao ECO o cofundador e diretor tecnológico da PPL Crowdfunding, Pedro Domingos. Como o próprio já tinha afirmado, numa entrevista publicada esta semana, a ASAE pediu a lista de quem fez donativos para as quatro maiores campanhas já realizadas através da plataforma, entre as quais as duas que foram promovidas pelos enfermeiros.

Segundo uma nota publicada no site da CNPD, foi dito à plataforma PPL, onde foi feita a campanha de angariação de fundos, que “nada obsta” à disponibilização à ASAE da informação pedida para averiguar a origem dos fundos recolhidos. A ASAE pretende investigar a origem dos fundos recolhidos pelos enfermeiros através de uma plataforma de financiamento colaborativo, crowdfunding, para as greves em blocos operatórios.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

ASAE já sabe quem financiou as greves cirúrgicas dos enfermeiros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião