Parlamento aprova nova comissão de inquérito à Caixa

A nova comissão terá condições diferentes, já que passou a ser conhecida a auditoria da EY à gestão da Caixa, ao mesmo tempo que foi promulgada a lei que permite o acesso a informações dos bancos.

O Parlamento aprovou, esta sexta-feira, a constituição da terceira comissão parlamentar de inquérito que terá a Caixa Geral de Depósitos (CGD) como objeto. O projeto para a constituição de uma nova comissão, da autoria conjunta de PS, PSD, CDS e Bloco de Esquerda, foi aprovado com a abstenção do PCP, dos Verdes e do deputado não inscrito Paulo Trigo Pereira e com os votos a favor de todas as restantes bancadas.

A nova comissão de inquérito terá condições diferentes da última que foi realizada à gestão do banco público. Desde logo, já é conhecida a auditoria feita pela EY à gestão da Caixa entre 2000 e 2015, que aponta para decisões de investimento e de concessão de crédito, por parte de várias administrações, que não tiveram em conta os pareceres negativos da direção global de risco do banco. Ao mesmo tempo, já está promulgada a lei que permite que as comissões parlamentares de inquérito tenham acesso à informação solicitada aos bancos, que, até agora, têm invocado, por várias vezes, o segredo bancário ou o sigilo profissional para recusarem ceder informações.

Os partidos acordaram que a comissão de inquérito não deverá ultrapassar os 120 dias, tendo em conta não só a urgência do tema mas, também, o facto de decorrerem eleições legislativas em outubro. A comissão terá quatro objetivos:

  • Apurar as práticas de gestão da Caixa no domínio da concessão e gestão de crédito e de outras modalidades de financiamento desde o ano de 2000;
  • Apreciar a atuação dos órgãos societários da Caixa, incluindo os de administração de fiscalização e de auditoria, dos diretores, dos auditores externos, dos Governos, bem como dos supervisores financeiros;
  • Averiguar as contradições entre as declarações proferidas publicamente, incluindo em comissões parlamentares de inquérito anteriores, e as informações do relatório de auditoria da EY, nomeadamente sobre a concessão e renovação de créditos;
  • Avaliar o impacto destas práticas de crédito nas necessidades da recapitalização da Caixa.

Esta será a terceira comissão de inquérito em torno da Caixa nesta legislatura. A primeira decorreu durante um ano, entre 2016 e 2017, e tinha o mesmo objeto daquela que acaba ser aprovada: avaliar as práticas de gestão da Caixa desde o ano 2000, para apurar os factos que levaram à necessidade da última recapitalização feita na no banco público. Esta comissão acabou, na prática, por ser inconclusiva, já que o relatório final, que continha as conclusões retiradas da comissão de inquérito, foi chumbado. Para além disso, a comissão acabou sem que tenha chegado a receber vários documentos pedidos não só à Caixa, mas também ao Banco de Portugal e à CMVM, que invocaram segredo bancário e sigilo profissional para recusarem o envio da informação solicitada. O mesmo não deverá acontecer na nova comissão.

Já a segunda começou quando a primeira ainda não tinha acabado e visava apurar a condições da nomeação e demissão da administração de António Domingues, que renunciou ao cargo por se opor à obrigatoriedade de apresentar a declaração de rendimentos e de património ao Tribunal Constitucional.

O projeto aprovado esta sexta-feira será agora enviado para a Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa (COFMA), onde será definido o funcionamento da nova comissão parlamentar de inquérito.

(Notícia atualizada às 12h43 com mais informação)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Parlamento aprova nova comissão de inquérito à Caixa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião