BRANDS' ADVOCATUS O beneficiário efetivo e a proatividade procrastinadora do legislador português

  • BRANDS' ADVOCATUS
  • 21 Fevereiro 2019

A advogada Alexandra M. Martins, da SLCM // Serra Lopes, Cortes Martins & Associados, escreve sobre a nova lei de branqueamento de capitais.

Desde a publicação daquela que constitui a quarta diretiva europeia destinada a fazer face à ameaça do branqueamento de capitais (Diretiva (EU) 2015/849, de 20 de mais de 2015), que é sabido que os Estados-Membros estão obrigados a assegurar que as entidades societárias e outras pessoas coletivas constituídas no seu território são obrigadas a obter e conservar informações suficientes, exatas e atuais sobre os seus beneficiários efetivos, as quais deverão ser conservadas num registo central em cada Estado-Membro.

Foi neste enquadramento que a Lei 89/2017, de 21 de agosto, que aprovou o Regime Jurídico do Registo Central do Beneficiário Efetivo (“Regime do RCBE”), trouxe consigo acrescidos deveres de compliance por parte das entidades societárias e outros entes coletivos, para cujo cumprimento estes deveriam estar integralmente preparados até meados de novembro de 2017 (altura em que a Lei entraria em vigor).

Advogados e consultores jurídicos apressaram-se a dissecar a nova Lei, acabando por cedo concluir que a inusitada proatividade do legislador Português (que havia transposto a referida Diretiva com “apenas” dois meses de atraso sobre a data limite para a sua transposição!) era, afinal, “para inglês (leia-se, em tempos de Brexit, europeu) ver”!

Indo por partes.

Não há grandes dúvidas que a Lei 89/2017 dá formalmente cumprimento às obrigações impostas pela Diretiva quanto às informações sobre Beneficiários Efetivos: por um lado, estabelece a obrigatoriedade de a generalidade das entidades coletivas manterem um registo interno atualizado não só sobre os respetivos sócios diretos, mas também sobre as pessoas singulares que detenham a propriedade das participações sociais ou o controlo da entidade; por outro lado, institui um registo público dos beneficiários efetivos das mesmas entidades coletivas, o qual deverá ser “alimentado” por via de obrigações declarativas de tais entidades, a cumprir de forma periódica, através do preenchimento e submissão de formulário eletrónico.

Porém, nos termos do artigo 11.º do Regime do RCBE, o tal formulário eletrónico teria ainda de ser definido por portaria que deveria estabelecer igualmente os termos em que as circunstâncias indiciadoras da qualidade de beneficiário efetivo, previstas na Lei 83/2017, de 18 de agosto, deve[riam] ser consideradas no preenchimento da obrigação declarativa. No mesmo sentido, determinavam as normas transitórias da Lei 89/2017, que a primeira declaração inicial das entidades obrigadas já existentes deveria ser efetuada no prazo a definir… por portaria posterior.

Aqui chegados, ficaram os referidos advogados e consultores jurídicos com pouco ou nada para dizer, a não ser que algo aí viria, em momento, contornos e objeto ainda incertos.

A verdade é que o que ficou por definir em agosto de 2017 foi a essência do próprio regime: se o legislador relegava para portaria posterior a concretização dos termos em que as circunstâncias indiciadoras da qualidade de beneficiário efetivo, previstas na Lei de combate ao branqueamento de capitais, deveriam ser consideradas no âmbito do Regime do RCBE, isso só poderia significar que o conceito de beneficiário efetivo, para estes efeitos, não só era diferente do previsto naquela Lei, mas permanecia, ainda, em aberto.

Foi, por isso, com inabitual ansiedade que se aguardaram os 90 dias legalmente previstos para publicação da portaria. Esta só surgiu, porém, 1 ano depois, remetendo, contudo, a densificação do conceito de beneficiário efetivo para o modelo de formulário eletrónico a disponibilizar após despacho do presidente do Conselho Diretivo do Instituto de Registos e do Notariado. Em suma, decorrido 1 ano sobre publicação do Regime do RCBE mantinha-se a principal interrogação, i.e. quem deveria ser tido como beneficiário efetivo para estes efeitos.

Porque a estória já vai longa, convirá acabar rapidamente com o suspense: após tanta espera e sucessivas promessas de regulação, o modelo de formulário lá surgiu em finais de 2018, mas sem qualquer referência ou resposta aquela interrogação. Ou seja, parece que, também para efeitos do Regime do RCBE, deverá ter-se em conta a propositadamente indeterminada definição de beneficiário efetivo constante da Lei de combate ao branqueamento de capitais.

A esta proatividade procrastinadora do legislador português só apetece responder: “mas porque é que não disse logo!”

Artigo desenvolvido por Alexandra M. Martins, Advogada da SLCM // Serra Lopes, Cortes Martins & Associados.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

O beneficiário efetivo e a proatividade procrastinadora do legislador português

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião