ADSE e privados retomam diálogo. “Todos perderiam com um não acordo”, diz João Proença

  • ECO
  • 22 Fevereiro 2019

O presidente do Conselho Geral e de Supervisão da ADSE reconhece que "é preciso rever as tabelas para preços justos". As reuniões entre a ADSE e os privados terão recomeçado na quinta-feira.

Depois de ameaças de alguns grupos privados de saúde, como a Luz Saúde e a José de Mello Saúde, de romper as convenções acordadas com a ADSE, o diálogo terá sido retomado. O presidente do Conselho Geral e de Supervisão do subsistema de saúde do Estado mostra-se confiante de que as conversas terão um resultado positivo.

Todos perderiam com um não acordo: ADSE, Serviço Nacional de Saúde e grupos privados”, defende João Proença, em declarações à Renascença (acesso livre). Para alcançar um entendimento, as conversações já terão recomeçado na passada quinta-feira, com a presidente do Conselho Diretivo da ADSE, Sofia Portela, a reunir com os grupos privados.

Apesar de ter sido a exigência da ADSE que os privados paguem 38 milhões de euros por excesso de faturação que levou às tensões, os temas centrais das discussões serão a tabela de preços e a regularização dos preços dos atos médicos a posteriori. João Proença admite que “é preciso rever as tabelas para preços justos. Até porque desde 2004 que não são mexidas”.

Para o presidente do Conselho Geral e de Supervisão da ADSE, o Governo está a “tentar limitar as capacidades de gestão do instituto público, ao não ter inscrito no Orçamento do Estado o prometido reforço de meios humanos”. João Proença acusa ainda o Executivo de “bloquear todas as propostas feitas pela ADSE”, nomeadamente a abertura do subsistema aos funcionários com contrato individual.

“O problema da ADSE é que as despesas estão a crescer a 6,2% ao ano e as receitas a menos de 1%. Se nada for feito, o sistema torna-se insustentável”, conclui João Proença.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

ADSE e privados retomam diálogo. “Todos perderiam com um não acordo”, diz João Proença

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião