Secretário de Estado da Saúde ameaça “privatizar” a ADSE

  • ECO
  • 16 Fevereiro 2019

A ADSE ainda é uma entidade pública e tem de prosseguir o interesse público. Se quiser seguir o interesse privado dos seus beneficiários, então privatize-se”, ameaça Francisco Ramos.

O secretário de Estado Adjunto da Saúde, Francisco Ramos, admite tomar uma posição de força se o interesse público não for prosseguido na ADSE. O subsistema de saúde é uma entidade pública e se a opção for dar prevalência aos interesses privados dos seus beneficiários, então que se privatize o sistema, diz o responsável, que para já não vai mediar o diferendo entre a ADSE e os privados.

“A ADSE manterá abertos os seus canais. Não há nenhuma orientação do Governo para que seja o Ministério a assumir o papel” de negociador, disse Francisco Ramos em declarações ao Expresso (acesso pago). No entanto deixa um alerta: “A ADSE ainda é uma entidade pública e tem de prosseguir o interesse público. Se quiser seguir o interesse privado dos seus beneficiários, então privatize-se”.

A ADSE ainda é uma entidade pública e tem de prosseguir o interesse público. Se quiser seguir o interesse privado dos seus beneficiários, então privatize-se.

Francisco Ramos

Secretário de Estado Adjunto da Saúde

O responsável defendeu ainda que é “inaceitável” o “clima de chantagem sobre os poderes públicos e sobre as pessoas” que acaba por gerar “uma situação de captura do interesse público por um conjunto de hospitais e clínicas privadas”. Francisco Ramos defende que a ADSE não pode ceder se quiser continuar como parte do Estado.

Quem financia, praticamente por inteiro, a ADSE são os seus beneficiários, mas esta ainda é uma entidade pública. Se serve apenas para financiar as clínicas privadas, independentemente do interesse que tem pela saúde dos seus beneficiários, é uma lógica completamente contrária àquela que o Ministério da Saúde deve prosseguir e que se traduz no Serviço Nacional de Saúde”, alerta o secretário de Estado Adjunto da Saúde.

Francisco Ramos questiona mesmo se deve ser o Ministério da Saúde a tutelar a ADSE já que, na sua opinião, existe uma contradição na posição da ADSE: servir os beneficiários ou os prestadores privados. Para Francisco Ramos, a ADSE “paga coisas que não têm o mais pequeníssimo interesse para a saúde dos seus beneficiários” e que servem apenas “para aumentar os lucros dos prestadores privados, como exames de diagnóstico que se multiplicam, cirurgias e exames desnecessários…”

“O ponto deve ser: a ADSE existe para dar conforto e ocupar os tempos livres dos seus beneficiários ou para ajudar a melhorar a saúde das pessoas?”, questiona o secretário de Estado Adjunto da Saúde.

Esta posição de Francisco Ramos vai contra as declarações de António Costa que tentou sossegar os beneficiários da ADSE quanto ao futuro do subsistema, deixando “uma palavra de confiança para todos os beneficiários da ADSE, de que os cuidados de saúde não estão em causa. Estarão integralmente assegurados, assim como está assegurada a continuidade da ADSE”.

Comentários ({{ total }})

Secretário de Estado da Saúde ameaça “privatizar” a ADSE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião