BRANDS' ADVOCATUS O artigo 18º nº 6 da Lei de Arbitragem

  • BRANDS' ADVOCATUS
  • 22 Fevereiro 2019

O artigo 18º nº 6 da Lei de Arbitragem. Alerta para a existência e importância da sua aplicação.

Este artigo da LAV permite às partes arguir, no decurso do processo, quer a nulidade do exercício efetivo de poderes excessivos pelo tribunal, quer a mera possibilidade de isso vir a suceder.

A oportunidade da arguição requer que ela seja deduzida imediatamente após se ter suscitado no processo a questão, sob pena de ela não poder ser mais arguida.

Isto é, in casu, o tribunal arbitral carece de competência conferida pelas partes para que possa dirimir o litígio nos termos do artº 1º, no. 1 LAV. Inexistindo uma válida convenção de arbitragem, não pode haver arbitragem voluntária.

São várias as causas de inexistência ou de nulidade de uma convenção de arbitragem. Vejamos:

– incapacidade legal de uma das partes da convenção de arbitragem para a sua celebração;

– a convenção não é válida nos termos da lei escolhida ou, no caso da falta de indicação de lei aplicável, nos termos da LAV;

– violação no processo arbitral de algum dos requisitos referidos no nº 1 do artigo 30º da LAV com influência decisiva na resolução do litígio (falta de citação do demandado; violação do princípio da igualdade; violação do direito de defesa; violação do princípio do contraditório);

– pronuncia de sentença pelo tribunal, inexistindo convenção de arbitragem, ou, existindo, ela não prever o litígio ou conter decisões que ultrapassam o seu âmbito;

– a composição do tribunal ou o processo arbitral não serem conformes com a convenção de arbitragem nas condições do art. 46º nº 3 iv);

– nos casos de ultra petita ou infra petita (idem, sub. al, v));

– a notificação da sentença às partes ter ocorrido para além do prazo (idem, sub al.vii).

Cabe perguntar, qual o propósito deste regime de fixação de um momento limite de arguição da falta de competência do tribunal para dirimir o litígio?

Claramente, a intenção do legislador é a de tentar impedir que o tribunal se alongue na tramitação do processo, carecendo de competência para tanto. Trata-se, portanto, essencialmente, de um propósito de economia processual.

Quanto ao fundamento substancial do regime, assenta no facto de competir à vontade das partes atribuir a árbitros a resolução de um litígio. Ora, se elas têm esse poder também lhes pertence a possibilidade de impedir que o processo prossiga no caso de falta de competência.

De salientar que o disposto no artigo 43º, nº 4, LAV refere-se, essencialmente, ao mesmo regime expresso no artigo 18º, nº 6.

Por fim, sobre a possibilidade de ser invocado no processo de reconhecimento e execução de uma sentença estrangeira vícios da natureza dos descritos, isso poderá suceder se for aplicável ao caso qualquer das hipóteses de recusa previstas no art. 56º LAV. Na verdade, trata-se de uma opção interventiva do legislador português na tutela de um processo arbitral estrangeiro relativamente ao qual a LAV não lhe é diretamente aplicável. A LAV optou, neste particular, por aproximar este regime ao disposto no art. 46º aplicável aos processos arbitrais que decorram em território nacional (art. 61º). Mas, na verdade, com exceção de defesa dos princípios fundamentais do processo arbitral (art. 30º nº 1 LAV), da preservação da ordem pública internacional do estado português e do disposto no art. 56º, nº 1, al. v) parece-nos que carece de justificação plena o regime da LAV consignado nas restantes alíneas do art. 56º, mas isso não exime a aplicação da LAV.

Artigo desenvolvido por Manuel Pereira Barrocas, Partner da Barrocas & Associados – Sociedade de Advogados, RL

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

O artigo 18º nº 6 da Lei de Arbitragem

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião