Trump afirma que Coreia do Norte pode tornar-se potência económica… mas sem armas nucleares

  • Lusa
  • 24 Fevereiro 2019

A poucos dias da cimeira com Kim Jong-un, o presidente dos Estados Unidos escreveu, no Twitter, que a Coreia do Norte tem potencial para ser uma potência económica, se renunciar às armas nucleares.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou este domingo que a Coreia do Norte poderá tornar-se “uma das maiores potências económicas” se renunciar ao programa de armamento nuclear. “O presidente Kim [Jong-un] já percebeu, possivelmente melhor do que ninguém, que sem armas nucleares o país pode tornar-se mais rapidamente uma das maiores potências económicas do mundo“, afirmou Trump na rede social Twitter.

O Presidente dos Estados Unidos e o líder norte-coreano reúnem-se esta semana, em Hanói, reafirmando a inédita aproximação entre Washington e Pyongyang, depois de uma histórica cimeira em Singapura, no ano passado.

Donald Trump acredita que pela posição geográfica, pela população e com Kim Jong-un no poder, a Coreia do Norte “tem mais potencial de um rápido crescimento do que qualquer outra nação”.

O primeiro encontro, histórico, entre Trump e Jong-Un ocorreu após se registarem, em 2017, tensões inéditas desde a Guerra da Coreia (1950-1953), face aos sucessivos testes nucleares de Pyongyang e à retórica beligerante de Trump. Mas a aprovação de sanções pelo Conselho de Segurança da ONU contra Pyongyang forçou o país a seguir a via diplomática e a parar de realizar testes nucleares e com mísseis balísticos.

Os EUA, entretanto, suspenderam os exercícios militares com a Coreia do Sul. Pyongyang não permitiu ainda inspeções às suas instalações nucleares, que continuam cobertas por um manto de secretismo, enquanto análises de imagens de satélite revelam que estas permanecem ativas.

Comentários ({{ total }})

Trump afirma que Coreia do Norte pode tornar-se potência económica… mas sem armas nucleares

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião