Trump dá tréguas na guerra comercial. Wall Street avança

Presidente americano decidiu adiar a subida das taxas alfandegárias sobre produtos da China e disse que está perto de um acordo comercial com chineses. Investidores gostaram das novidades.

Donald Trump anunciou que deverá adiar a subida das tarifas alfandegárias sobre importações chinesas, num sinal de tréguas em relação ao conflito comercial que opõe as duas maiores economias do mundo e que deixou os investidores do outro lado do Atlântico mais descansados. Wall Street fechou a primeira sessão da semana com ganhos.

O índice de referência mundial, o S&P 500, avançou 0,12% para 2.796,11 pontos. Foi acompanhado pelos outros dois principais índices norte-americanos: o tecnológico Nasdaq ganhou 0,36% e o industrial Dow Jones somou 0,23%.

Antes da abertura do mercado, o Presidente americano disse estar otimista em relação a um acordo sobre o comércio com a China. Ainda assim, decidiu adiar a data de agravamento das taxas alfandegárias sobre produtos chineses, que foi encarado pelos investidores de que um acordo entre as duas partes não só é possível, como pode estar para breve.

De resto, no Twitter, Trump revelou que o acordo está “em fase adiantada” e que a “relação entre os dois países é muito forte”. “Adiei, por isso, a subida das tarifas. Vamos ver o que acontece a seguir“, disse.

“O principal motor do mercado foi este otimismo renovado em torno do acordo entre EUA e China”, disse Adam Sarhan, da 50 Park Investments, citado pela agência Reuters. “Será perfeitamente normal se tivermos um recuo para digerir uma subida tão acentuada. O mercado está à espera do próximo catalisador“, referiu ainda.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trump dá tréguas na guerra comercial. Wall Street avança

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião