Subsidiária da Altri emite 50 milhões de euros. Paga 1,9% por green bonds a 10 anos

A Sociedade Bioelétrica do Mondego colocou de obrigações verdes. A EDP tinha estreado o mercado em Portugal, mas esta é a primeira operação de títulos deste género admitida à negociação no país.

O grupo Altri fechou esta terça-feira a colocação de 50 milhões de euros em dívida verde a 10 anos, conhecida como green bonds. A operação, na qual pagou um juro de 1,9%, foi feita através da participada Sociedade Bioelétrica do Mondego (SBM) e estes serão os primeiros títulos deste género a serem admitidos à negociação na bolsa portuguesa.

“A participada Sociedade Bioelétrica do Mondego, S.A. procedeu, hoje [terça-feira,], à emissão de um empréstimo obrigacionista, por subscrição particular, no montante de 50.000.000 (cinquenta milhões de euros), com a designação “SOCIEDADE BIOELÉTRICA DO MONDEGO 2019 – 2029” e taxa de cupão de 1,90%”, anunciou a Altri, em comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

As obrigações verdes são um instrumento de dívida que permite às empresas e Estados captar investimento para projetos existentes ou para projetos novos, aos quais estejam associados benefícios ambientais. A SBM explicou que a emissão destina-se a financiar a construção de uma nova central termoelétrica a biomassa na Figueira da Foz.

“Este investimento da SBM contribuirá para a diversificação das fontes energéticas do grupo Altri e insere-se na estratégia definida para a política energética nacional, através da construção de uma central de produção de eletricidade a partir de fontes não convencionais”, referiu a empresa.

A atividade da empresa do grupo Altri foca-se na promoção, desenvolvimento e gestão de centrais elétricas e outras instalações de produção e venda de energia bioelétrica em Portugal. A sociedade trabalha principalmente com resíduos e biomassa, o que explica o recurso a esta fonte de financiamento.

A central a biomassa irá contribuir para a prossecução de uma política estruturante no campo energético, que permitirá diminuir a dependência externa e o efeito de estufa resultante da utilização de combustíveis fósseis. A utilização de biomassa florestal, por outro lado, além de contribuir para a criação de emprego e para o ordenamento da floresta, permite reduzir os riscos de incêndio, promovendo um ambiente de produção de energia limpa e renovável, reforçando assim o compromisso de sustentabilidade do grupo Altri”, acrescentou.

Em Portugal, este mercado foi estreado pela EDP, em 2018, com a colocação de 600 milhões de euros (que não foram, no entanto, admitidas à negociação em Portugal). Além da EDP, e agora da SBM, também o Estado português já mostrou interesse no mercado de dívida sustentável. O ministro das Finanças, Mário Centeno, disse no ano passado que esta poderá ser uma hipótesepara diversificar as fontes de financiamento do país, a par das panda bonds.

O mercado de obrigações verdes por parte das empresas globais tem vindo a crescer, tendo atingido um recorde de sempre em 2017. Após um abrandamento no ano passado, a agência Moody’s antecipou, num relatório recentemente, que o montante total das colocações volte a acelerar para 200 mil milhões de euros este ano. A concretizar-se, representará um aumento homólogo de 20%.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Subsidiária da Altri emite 50 milhões de euros. Paga 1,9% por green bonds a 10 anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião