Medidas anti-corrupção do Governo ainda estão pendentes, diz Bruxelas

Para a Comissão Europeia, falta a Portugal uma estratégia coordenada no combate à corrupção. É preciso melhorar a capacidade dos tribunais e a cooperação entre instituições.

Para a Comissão Europeia o sistema judicial em Portugal está a tornar-se cada vez mais eficiente. Segundo um relatório divulgado esta quarta-feira que avalia a os avanços económicos e sociais feitos pelos estados-membros da União Europeia, o combate à corrupção tem sido mais eficiente, mas a falta de meios no Ministério Público continua a ser um problema. Dados que também vão ao encontro do último Estudo sobre a Economia Portuguesa da OCDE.

Para a Comissão, o combate à corrupção continua a ser um problema devido à falta de uma estratégia coordenada e das responsabilidades fragmentadas. Segundo o relatório, existe pouca transparência em torno do trabalho da comissão parlamentar criada para simplificar a legislação anticorrupção e “muitas das promessas anticorrupção introduzidas no programa governamental de 2015 estão, portanto, ainda pendentes”. Bruxelas diz que “não é claro se Portugal vai adotar uma legislação anticorrupção e que não existe uma estratégia clara de orientação a este importante processo legislativo”.

O Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) tem tido um “histórico positivo” e com a nova lei de branqueamento de capitais espera-se que o DCIAP se torne mais eficaz, dado que tem acesso direto a uma série de bases de dados. O trabalho da Polícia Judiciária também tem melhorado, mas os departamentos regionais continuam mal equipados.

Já o Conselho para a Prevenção da Corrupção tem um “mandato limitado e poucos recursos, concentrando-se principalmente no fornecimento orientação para riscos de corrupção e realização de campanhas de sensibilização nas escolas”, diz a CE.

Para melhorar a eficiência do combate a este tipo de crime, o relatório conclui dizendo que Portugal precisa de melhorar a capacidade dos tribunais e a cooperação entre instituições.

Arbitragem pode ser a solução para a celeridade

A celeridade dos processos em tribunal continua a ser um dos maiores desafios, com o tempo de pendência a registar algumas melhorias. A Comissão Europeia salienta o conjunto de medidas que têm sido introduzidas em Portugal para reduzir os casos em atraso, como as novas equipas de “reação rápida” de juízes e o acelerar da resolução de processos pendentes em matéria administrativa e judicial.

Um maior recurso ao mecanismo de arbitragem foi também uma das apostas do Governo. Uma das medidas que o relatório salienta é a possível ‘migração’ dos casos que entraram nos tribunais antes de 2016 para o Centro de Arbitragem Administrativa, sem custos associados. “Em média, este centro leva 4,5 meses para resolver um caso”, diz o relatório. O que o torna um sistema muito mais célere quando comparado com a média de 10 anos dos tribunais comuns.

A promoção de uma “justiça mais eletrónica e a especialização dos tribunais” tem sido também uma das bandeiras do Governo. Recentemente, foi introduzida a apresentação eletrónica obrigatória dos processos judiciais nos tribunais administrativos e fiscais.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Medidas anti-corrupção do Governo ainda estão pendentes, diz Bruxelas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião