Uber traz 750 bicicletas elétricas para Lisboa. É a primeira cidade europeia com o serviço completo

O serviço de bicicletas da Uber vai cobrir 90% da cidade. Não têm de ser estacionadas em docas, mas sim em locais autorizados. As viagens vão custar 0,15 euros por minuto.

Apresentação da nova plataforma de bicicletas partilhadas UBER Jump - 28FEV19
As bicicletas Jump estreiam-se nas ruas de Lisboa.Hugo Amaral/ECO

“Lisboa tem mais uma opção para chegar onde quer”, anuncia a Uber, ao lançar o serviço de bicicletas partilhadas da Jump na capital portuguesa, tal como o ECO avançou esta quarta-feira. Serão 750 bicicletas elétricas que estarão disponíveis para utilizar, 24 horas por dia, algumas já a partir desta quinta-feira. Lisboa é a primeira cidade europeia onde o serviço está disponível por completo.

Para começar a andar basta abrir a aplicação da Uber e escolher “Pedalar”. Depois tem de encontrar uma bicicleta no mapa, reservá-la e desbloquear com um código que será mostrado na aplicação. Quando terminar a viagem, encontra um local autorizado para deixar a bicicleta, fecha o cadeado e encerra a sessão na aplicação. As bicicletas deverão ser deixadas nos sítios de estacionamento adequados, sendo que estão sujeitas ao código da estrada, como explica Miguel Gaspar, vereador da Mobilidade da Câmara Municipal de Lisboa, na apresentação do serviço.

Atualmente, a cidade lisboeta tem 3.000 lugares de estacionamento para bicicletas, número que a CML quer aumentar em quatro mil, para totalizar os sete mil lugares. Respondendo às críticas de que estão a roubar espaço para os carros, o vereador aponta que “um lugar de estacionamento na via pública para carros serve três ou quatro pessoas, para bicicletas serve 30 pessoas por dia”.

Existem em Lisboa zonas vermelhas, que se localizam no Bairro Alto e perto do Castelo, onde não se pode acabar uma viagem nessa zona, “porque é mais sensível do ponto de vista do espaço público”, indica Miguel Gaspar, devido à tipografia, pavimento e passagem do elétrico, por exemplo. As bicicletas da Jump chegam a 90% do município.

As viagens vão custar 0,15 euros por minuto, e não têm custo de desbloqueamento. Para celebrar o lançamento, a Uber oferece dez dias de viagens gratuitas para a experiência deste produto, com um máximo de duas viagens até 20 minutos. Vai ainda distribuir capacetes gratuitos para promover a segurança entre os utilizadores.

Lisboa serve como “ponto de entrada no mercado europeu”, diz Ryan Rzepecki, CEO e cofundador da Jump. A Uber adquiriu a Jump no ano passado e, apesar de o serviço já estar disponível em Berlim, é na capital que o produto é oferecido na sua totalidade. O cofundador garante que existe um plano de expansão na Europa, e anuncia que o serviço vai chegar a “mais cidades europeias na primavera”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Uber traz 750 bicicletas elétricas para Lisboa. É a primeira cidade europeia com o serviço completo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião