Uber prepara chegada das bicicletas elétricas Jump a Lisboa. Pode ser das primeiras cidades europeias com o serviço

A Uber Portugal está a preparar a entrada da Jump Bikes em Lisboa e procura um líder para a empresa em Portugal. Na Europa, o serviço de bicicletas elétricas partilhadas ainda só está em Berlim.

Lisboa pode ser das primeiras cidades europeias a receber as bicicletas da Jump Bikes. Na Europa, o serviço ainda só está presente em Berlim.Paul Wasneski, via Flickr

A Uber Portugal também quer explorar o negócio das bicicletas partilhadas e está a preparar a chegada do serviço Jump Bikes a Lisboa, apurou o ECO. A Jump é uma empresa de bicicletas elétricas que a Uber adquiriu em abril do ano passado. Fundada em 2010, garante já ter posto mais de 14 mil bicicletas nas ruas.

No verão do ano passado, uma fonte próxima da Uber já tinha confessado ao ECO a ambição da empresa de instalar uma subsidiária da Jump Bikes em Lisboa. Passou-se um semestre e a empresa terá agora a luz verde da casa mãe para arrancar com os preparativos. Desconhecem-se mais detalhes sobre os planos da empresa, nomeadamente os prazos para a chegada do serviço a Portugal.

Pelo menos, é nesse sentido que aponta uma oferta de emprego da Uber Portugal na rede social profissional LinkedIn. A empresa quer encontrar um líder para o serviço Jump em Lisboa, que ficará responsável por “implementar a estratégia operacional, comunicacional e política” da empresa na capital portuguesa. À hora de publicação desta notícia, tinham sido submetidas 182 candidaturas para a posição de City General Manager.

A oferta de emprego para líder da Jump Bikes em Lisboa define ainda que a pessoa escolhida terá de “recrutar, construir e liderar uma equipa operacional de superestrelas”, e “contribuir e partilhar as melhores práticas com a sede da empresa” em Nova Iorque, Amesterdão e São Francisco.

Contactada, a Uber Portugal não quis comentar estas informações. O ECO questionou o gabinete do vereador da mobilidade da Câmara Municipal de Lisboa, Miguel Gaspar, mas ainda não obteve resposta.

Desde que foi adquirida pela Uber, a Jump Bikes tem vindo a expandir operações em várias cidades norte-americanas, incluindo São Francisco, Nova Iorque e Los Angeles, e está presente na capital alemã, Berlim, o único mercado na Europa. no verão de 2018, o jornal especializado em tecnologia Tech Crunch dava conta da intenção da Uber de trazer a Jump Bikes para a Europa, para além da entrada em Berlim.

Aliás, em meados de dezembro do ano passado, Alexandre Droulers, head of new mobilities da Uber, disse numa entrevista ao jornal Observador que a empresa está “a trabalhar afincadamente para levar isto [a Jump Bikes] para a Europa e para Portugal”, com a maior celeridade possível. “É esse o objetivo”, reconheceu.

Em fevereiro de 2018, ainda antes de adquirir a Jump, a Uber firmou uma parceria com a empresa, através da qual permitia a alguns utilizadores desbloquearem as bicicletas a partir da aplicação principal da Uber, que liga motoristas a passageiros que precisem de transporte — e que é o principal negócio da empresa, para além das entregas de refeições.

A concretizar-se, a Jump Bikes irá concorrer com a rede pública de bicicletas partilhadas da EMEL, gerida pela própria Câmara Municipal. A diferença é que as bicicletas da Jump Bikes não usam uma rede de estações fixas, como a da EMEL.

Até aqui, a primeira e única empresa a tentar instalar uma solução deste género em Lisboa foi a oBike, um serviço que nem durou um mês e foi banido pela autarquia. As bicicletas da oBike ainda se encontram armazenadas nas instalações da Polícia Municipal de Lisboa. As promessas da empresa de regresso ao mercado nunca chegaram a ser cumpridas.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Uber prepara chegada das bicicletas elétricas Jump a Lisboa. Pode ser das primeiras cidades europeias com o serviço

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião