Lisboa mandou recolher as bicicletas, mas a oBike promete voltar “em breve”

A oBike recebeu ordem da Câmara Municipal de Lisboa para recolher todas as bicicletas amarelas e cinzentas. Mas a empresa promete voltar às ruas "em breve".

A rede privada de bicicletas partilhadas oBike promete voltar ao ativo na cidade de Lisboa. Numa mensagem publicada no Facebook, a startup explica que os serviços “não estão disponíveis” de momento, mas reitera o compromisso de regressar: “Estamos a melhorar o serviço em Lisboa e, em breve, estaremos de volta.”

Esta mensagem da oBike surge na mesma semana em que terminou o prazo dado pela Câmara Municipal de Lisboa para que a empresa retire as bicicletas amarelas e cinzentas das ruas. A rede oBike permitia aos utilizadores circularem em bicicletas partilhadas que podiam ser deixadas em qualquer sítio da cidade.

No entanto, o facto de não terem uma estação fixa, como acontece com a rede pública de bicicletas da EMEL (Gira), levou a que começassem a surgir bicicletas oBike no meio das ruas, muitas vezes tombadas ou amontoadas em sítios aleatórios. Desta forma, e até porque a empresa não terá licença da autarquia para exercer este tipo de atividade, o executivo camarário decidiu dar ordem de retirada.

Ao jornal Público (acesso condicionado), Miguel Gaspar, vereador com a pasta da Mobilidade, justificou a decisão com uma “ocupação abusiva do espaço público” e alegada falta de licenciamento por parte da empresa. Além do mais, a própria Câmara Municipal terá tido dificuldades em notificar os responsáveis. A Polícia Municipal também já terá instruções para recolher as bicicletas, embora esta quarta-feira o ECO ainda tenha visto uma bicicleta oBike estacionada numa rua.

O ECO tentou contactar a oBike no sentido de apurar para quando está previsto o regresso das bicicletas às ruas de Lisboa e se a empresa já está, ou não, a tratar do licenciamento junto da Câmara Municipal de Lisboa. Contudo, não obteve resposta em tempo útil. Contactado, o gabinete do vereador Miguel Gaspar também não estava imediatamente disponível.

A oBike é uma startup com raízes na Singapura e problemas semelhantes já tinham sido registados noutros países onde a empresa tem atividade. A empresa foi criada em janeiro do ano passado e, segundo o site da startup, terá garantido um financiamento de 45 milhões de euros em agosto do mesmo ano. No Twitter, são várias as contas que partilham imagens de bicicletas da empresa em localizações caricatas nas cidades. A empresa chegou espontaneamente a Portugal há menos de um mês, com cerca de 350 bicicletas.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lisboa mandou recolher as bicicletas, mas a oBike promete voltar “em breve”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião