Mota-Engil multiplica lucros por 12. Volta aos dividendos

A construtora encerrou 2018 com lucros de 24 milhões de euros. Vai voltar a pagar dividendos, sendo o mínimo a distribuir de 50% dos resultados líquidos obtidos.

A Mota-Engil aumentou exponencialmente os lucros. Multiplicou por 12 o valor obtido em 2017, chegando aos 24 milhões de euros, num ano em que as receitas dispararam para recorde. Perante estes resultados, a empresa revela que vai voltar a pagar dividendos aos seus acionistas.

Depois de ter apresentado resultados líquidos de apenas dois milhões em 2017, a construtora elevou os lucros para 24 milhões no ano passado. Parte deste valor será distribuído pelos investidores. Apesar de não apresentar um valor, a construtora revela que entregará entre 50% e 75% dos lucros.

O EBITDA continua a aumentar, tendo crescido 11%, para 409 milhões de euros, isto num ano em que as receitas cresceram 12% para um valor recorde. O volume de negócios da empresa liderada por Gonçalo Moura Martins ascendeu a 2.818 milhões de euros.

A América Latina gerou maior parte das receitas da empresa, crescendo acima das restantes geografias. Contudo, a Mota-Engil destaca, no comunicado enviado à CMVM, que “o segundo semestre do negócio em África revelou um forte crescimento, uma tendência que deverá continuar em 2019”.

A carteira de encomendas da Mota-Engil está em 5,5 mil milhões de euros, devendo manter-se “acima do patamar dos 5 mil milhões este ano”, refere a empresa.

Com o investimento a ascender a 287 milhões de euros, a dívida líquida da Mota-Engil aumentou. Terminou o ano em 953 milhões de euros, representando 2,3 vezes o EBITDA gerado. O custo médio da dívida encolheu de 5,6% para 5%.

(Notícia atualizada às 8h06 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mota-Engil multiplica lucros por 12. Volta aos dividendos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião