Salgado diz que Banco de Portugal recusou três hipóteses de recapitalização do BES

  • Lusa
  • 4 Março 2019

“Havia outras soluções para salvar o Banco Espírito Santo", defende Ricardo Salgado, salientando que não houve vontade política para o fazer.

O ex-presidente do Banco Espírito Santo (BES), Ricardo Salgado, afirma que “não houve vontade política” para salvar o banco, que o Banco de Portugal recusou três hipóteses de recapitalização e que pensa todos os dias nos lesados.

Quase cinco anos depois do colapso do BES, Ricardo Salgado afirma, em entrevista à TSF, que enquanto esteve no banco, até 13 de julho de 2014, “nunca se tinha falado em resolução alguma”.

“Havia outras soluções para salvar o Banco Espírito Santo. Uma das coisas que me leva a pensar que não houve vontade política foi o facto de o senhor governador e o Banco de Portugal (BdP) terem recusado três hipóteses de recapitalização do banco”, refere Salgado, acrescentando que, depois de terem começado fugas de depósitos e da “quebra brutal de confiança”, só havia uma forma de o corrigir: “injetar confiança”, mas “havia uma pressão enorme para uma solução que acabasse com o Banco Espírito Santo”.

Questionado sobre qual a parte da responsabilidade que cabe à equipa de gestão do BES e do Grupo Espírito Santo, uma vez que aponta sempre responsabilidade ao Banco de Portugal, Ricardo Salgado admite que houve erros, mas “de julgamento”.

“Não sacudi a água do capote e quando fui à Comissão Parlamentar de Inquérito disse com certeza que houve erros que foram praticados, 22 anos sem qualquer erro é impossível. Mas erros que, quanto a mim, considero de julgamento”, afirmou.

"O que lhe posso dizer é isto: não fui eu que lancei a resolução. [No tempo da] minha ação no BES não havia resolução em pé ainda. Portanto, não fui eu que causei os lesados. Os lesados foram causados pela resolução.”

Ricardo Salgado

Ex-presidente do BES

“Não são erros de princípios. Houve escolhas de quadros que foram ocupar posições importantes, que provavelmente foram erradas. Provavelmente não, hoje em dia tenho a certeza de que foram erradas, nomeadamente aqueles que foram para Angola”, acrescentou Ricardo Salgado, admitindo que se refere a Álvaro Sobrinho “e não só”.

“O [Hélder] Bataglia, também. Aliás, foi o Bataglia que propôs o Álvaro Sobrinho para vir trabalhar para Angola, como presidente do banco. Mas houve outras coisas que se passaram e que configuram erros de julgamento”, admite.

Na entrevista à TSF, Ricardo Salgado reitera que não foi ele que causou os lesados do BES. “O que lhe posso dizer é isto: não fui eu que lancei a resolução. [No tempo da] minha ação no BES não havia resolução em pé ainda. Portanto, não fui eu que causei os lesados. Os lesados foram causados pela resolução”, afirma.

“Penso todos os dias nos lesados. Todos os dias. E sofro com isso”, acrescenta.

Ricardo Salgado partilha também que continua a “trabalhar intensamente” na sua defesa, que está a escrever as suas memórias e que foi “sempre tratado impecavelmente e com respeito” quando esteve em prisão domiciliária.

Questionado sobre o impacto de uma parte significativa dos seus bens estar arrestada, Salgado frisa que “começa logo por ter uma influência psicológica brutal”, acrescentando que “até a pensão foi arrestada”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Salgado diz que Banco de Portugal recusou três hipóteses de recapitalização do BES

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião