Programa de faturação grátis do Fisco já só chega na próxima legislatura

Só na próxima legislatura é que deverá chegar o software gratuito do Fisco para emissão de faturas. Primeiro, o Governo quer fazer melhorias no Portal das Finanças até ao fim deste ano.

O programa gratuito do Fisco para a emissão de faturas eletrónicas só vai chegar na próxima legislatura. O Governo quer primeiro fazer melhorias ao sistema de emissão de recibos no Portal das Finanças. E só depois é que tenciona lançar um software capaz de substituir os programas certificados de faturação que muitos comerciantes são obrigados a ter nos seus estabelecimentos.

A informação foi revelada ao ECO por fonte oficial do Ministério das Finanças, que salientou que o programa “encontra-se em desenvolvimento informático”. Esta ideia deverá resultar em poupanças para os pequenos e médios comerciantes, mas pode ameaçar o negócio das empresas de software de faturação. O programa

Até lá, é preciso esperar mais um pouco. Isto porque, antes, o Governo quer que sejam implementadas melhorias aos “atuais sistemas de emissão de fatura e faturas-recibo no portal das finanças” — os chamados recibos verdes eletrónicos. Só “numa fase posterior” é que tenciona implementar um sistema “inovador alternativo que se efetive como uma solução estrutural” para a emissão de faturas por via eletrónica.

As melhorias a esta parte do Portal das Finanças deverão ser lançadas ainda este ano. Mas o programa gratuito de faturação ainda não tem um calendário fechado.“Embora não seja possível, para já, antecipar uma data de conclusão da segunda fase, a expectativa é de que a primeira fase esteja concluída até ao final do ano”, concluiu a mesma fonte.

Assim, a medida, que representará uma das principais novidades para os contribuintes no âmbito deste novo regime, poderá só vir a ser implementada pelo próximo Governo, uma vez que o mandato do atual Executivo termina em 2019 e há eleições legislativas marcadas para o próximo dia 6 de outubro.

A notícia de que o Fisco está a criar este software foi conhecida em meados de fevereiro, quando foi publicado em Diário da República o decreto-lei que abre caminho ao fim das faturas em papel.

“Um conjunto maior de empresas fica obrigado a emitir faturas utilizando exclusivamente programas informáticos de faturação certificados, prevendo-se que a AT disponibilize, no futuro, uma aplicação de faturação para utilização gratuita”, lê-se num resumo simplificado da referida lei, escrito pelo Governo.

A informação também consta no próprio decreto-lei: “De modo a facilitar a adaptação dos agentes económicos, o regime constante do presente decreto-lei entra em vigor faseadamente, devendo a AT disponibilizar gratuitamente uma aplicação de faturação que cumpra os requisitos legais”, refere o documento.

Além disso, o novo regime cria o enquadramento legal necessário para que as empresas possam ter um arquivo exclusivamente digital. Define ainda que, a partir de janeiro de 2020, todas as faturas passem a ter um código QR, uma espécie de código de barras que pode ser digitalizado com o smartphone. O objetivo é facilitar a comunicação das faturas ao Fisco pelos contribuintes, caso não possuam número de identificação fiscal.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Programa de faturação grátis do Fisco já só chega na próxima legislatura

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião