Governo angolano aponta papel “crucial” de Portugal na diversificação económica

  • Lusa
  • 7 Março 2019

O Governo angolano reforça a ideia de que está a tentar travar a dependência do petróleo nas exportações do país, e apela a investimentos de empresários portugueses.

O Governo angolano admitiu esta quinta-feira que Portugal vai ter um papel “crucial” na diversificação da economia de Angola e renovou os apelos aos empresários portugueses para investirem em força naquele país.

Em declarações aos jornalistas em Benguela, no litoral-centro do país, onde decorre o Fórum Empresarial Angola/Portugal, o ministro de Estado e do Desenvolvimento Económico e Social angolano, Manuel Nunes Júnior, lembrou que o Governo de Luanda está a combater “seriamente” a dependência excessiva do petróleo nas exportações, equivalente a mais de 90% do valor global e 70% das receitas tributárias.

“Todos os problemas que se colocam em Angola têm sempre a ver com os preços do petróleo no mercado internacional, que é sempre imprevisível. Estamos a lutar seriamente para combater essa dependência e Portugal pode ajudar muito e ter um papel crucial nesse caminho”, sublinhou Manuel Nunes Júnior, à margem do evento, realizado no âmbito da visita que o chefe de Estado português, Marcelo Rebelo de Sousa, está a realizar a Angola.

O governante angolano destacou sobretudo as áreas da agricultura e da agroindústria, setores sobretudo do ramo alimentar, com o qual Angola “gasta anualmente recursos bastante acentuados”, para importar.

“Se conseguirmos produzir esses produtos localmente teremos dois ganhos: em recursos externos, em divisas, que poderão ser utilizadas em áreas mais estratégicas, e, por outro lado, ganhamos emprego internamente e combatemos o desemprego. Essa questão da diversificação é crucial para o nosso desenvolvimento”, insistiu.

A estas duas áreas, Manuel Nunes Júnior juntou uma terceira, a do turismo, setor em que, disse, “Portugal tem muita experiência” e em que pode também ajudar a desenvolvê-lo em Angola, “que tem também um grande potencial turístico”.

“Queremos que seja mais acentuada a participação [de empresários portugueses]. Queremos o investimento para que possamos, nos próximos cinco a dez anos, ter resultados muito palpáveis na diversificação económica. Mais do que retórica precisamos de ações concretas que façam com que Angola possa crescer nos próximos cinco a dez anos e Portugal pode desempenhar aqui um papel crucial”, insistiu. Segundo o ministro, os dados que Angola apresenta nesse domínio até agora “não são desejáveis”.

“Quando um país tem mais de 90% da sua exportação concentrada num só produto, quando tem mais de 70% das receitas tributárias dependente de um só produto, isso é uma situação de grande dependência. Queremos alterar isso radical e rapidamente. Por isso é que estamos aqui a apelar para que haja esse investimento de investidores portugueses, que trarão ‘know-how’ e tecnologia para nos apoiar, pois é fundamental que as coisas sejam feitas por aqueles que sabem fazer e que o podem fazer com rapidez”, sublinhou.

“Temos de ir buscar aquilo que de melhor se faz no mundo das novas tecnologias”, disse. Manuel Nunes Júnior desdramatizou a “já atual não questão” relacionada com as dívidas do Estado angolano às empresas portuguesas, repetindo que o processo está a andar a “grande velocidade” e que deverá estar concluído “em breve”.

“Neste momento estamos a dar passos muito seguros para a resolução da situação. Já se falou muito sobre isso. Relembro que mais de dois terços da dívida reclamada já está certificada pelo Ministério das Finanças e que, desta dívida reclamada e certificada, mais de 60% já está paga. Em sete meses”, frisou.

Nunes Júnior destacou que o Governo angolano está a tomar medidas internas para que se evite novas acumulações de atrasados, lembrando que “toda a gestão fiscal” está a ser feita nesse sentido, com o apoio do programa existente com o Fundo Monetário Internacional (FMI).

Sobre o fórum empresarial luso-angolano, Manuel Nunes Júnior salientou que o facto de ser o terceiro a ser realizado no espaço de sete meses “diz tudo” sobre a importância que os dois países estão a dar às relações económicas.

“Tendo realizado os três fóruns, queremos passar à fase prática, que é começar a ver investimentos de Portugal em Angola que não estejam ligados ao setor petrolífero. A ideia é trabalharmos para substituir as importações, promovermos as exportações e fazer com que deixemos de estar dependentes de um único produto de exportação. Mais, a exportação de um produto cujo preço não controlamos.

O fórum económico de Benguela será encerrado ao fim da tarde pelo Presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, que se encontra a cumprir o segundo de quatro dias da visita de Estado a Angola, dividido hoje entre as províncias da Huíla e de Benguela.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo angolano aponta papel “crucial” de Portugal na diversificação económica

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião