Preço dos passes de transportes no Algarve pode baixar 50%

  • ECO
  • 9 Março 2019

No próximo ano, a Comunidade Municipal do Algarve quer apresentar um passe intermodal, como acontece em Lisboa. O plano final deverá ser apresentado às empresas transportadores até ao dia 15 de março.

Não é só em Lisboa que os passes vão ficar mais baratos. Já no próximo ano, no Algarve, os utilizadores de transportes públicos poderão vir a ter uma redução de 50% no valor dos passes, uma alteração que está a ser pensada pela Comunidade Intermunicipal do Algarve (Amal), avança o Público (acesso condicionado). A proposta já foi aprovada por unanimidade e faz parte de um pacote de ajuda financeira de 924 mil euros.

Devido à falta de consenso entre os operadores de transportes públicos no Algarve, as câmaras de Lagos, Portimão, Loulé e Faro criaram as suas próprias redes de transportes urbanos. Entretanto, a Comunidade Intermunicipal assumiu o papel de autoridade regional, mas ainda não conseguiu pôr em prática um plano que conjugue o interesse público com o negócio das transportadoras.

Mas, esta sexta-feira, a Amal aprovou por unanimidade uma proposta que vai repartir um pacote de ajuda financeira de 924 mil euros: 40% para a rodovia, 40% para a ferrovia e 20% para a captação de novos utilizadores. O Programa de Apoio à Redução do Tarifário nos Transportes Públicos (PART), que conta com dinheiro do Fundo Ambiental, pretende estimular a criação de novos sistemas de mobilidade e tentar que cada vez mais cidadãos troquem o transporte individual pelo coletivo.

Inicialmente o PART aplicava-se apenas às Áreas Metropolitanas de Lisboa e Porto, mas acabou por ser alargado a todas as regiões. Da parte da Amal, a vontade é apresentar, no próximo ano, uma proposta para que o Algarve tenha um passe intermodal, como acontece em Lisboa. O plano final deverá ser apresentado às empresas transportadores até ao dia 15 de março e, nesta primeira fase, são privilegiadas as carreiras intermunicípios.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Preço dos passes de transportes no Algarve pode baixar 50%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião